Meteorologia

  • 06 AGOSTO 2020
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 35º

Edição

Festival de Almada arranca hoje a tentar tomar o pulso à criação teatral

A 37.ª edição do Festival de Almada começa hoje, com a proposta de "tomar o pulso à criação teatral portuguesa", em consequência da pandemia de covid-19, e tendo como homenageado o ator e encenador Rui Mendes.

Festival de Almada arranca hoje a tentar tomar o pulso à criação teatral
Notícias ao Minuto

06:19 - 03/07/20 por Lusa

Cultura Teatro

A organização do festival, que vê na pandemia uma "oportunidade" para "tomar o pulso à criação teatral portuguesa", apresenta nesta edição três estruturas estrangeiras, para 14 portuguesas.

Entre as produções anunciadas, contam-se três estreias e três criações adiadas durante o período de confinamento.

'Bruscamente no Verão Passado', de Tennessee Williams, texto dos anos de 1950, sobre a repressão da homossexualidade, pelo Teatro Experimental de Cascais (TEC), de Carlos Avilez; 'As Artimanhas de Sapin', comédia de Molière, pelo Teatro da Comuna, com encenação de João Mota; e 'Instruções para Abolir o Natal', de Michael Mackenzie, sobre efeitos da crise financeira de 2008, pela ACTA - A Companhia de Teatro do Algarve, são as três estreias anunciadas.

Artistas Unidos, Barba Azul, Teatro do Bairro, os teatros nacionais D. Maria II e S. João, o Teatrão, de Coimbra, A Turma, do Porto, e projetos como o do ator e encenador André Murraças e da atriz Luísa Cruz, com o cineasta João Botelho, são outras das propostas portuguesas, que retomam projetos recentes.

Do estrangeiro chegam os espanhóis La Tristura, de Madrid, e a dupla Agnès Mateus e Quim Tarrida, além do ator italiano Mario Pirovano.

Ao todo serão 17 espetáculos, em 90 sessões repartidas por cinco palcos de Almada (Teatro Municipal Joaquim Benite, Fórum Municipal Romeu Correia, Incrível Almadense, Academia Almadense e Teatro-Estúdio António Assunção) e um em Lisboa (CCB), a decorrer até 26 de julho, num calendário mais alargado - com o dobro do número habitual de sessões -, imposto pelas questões sanitárias.

O ator e encenador Rui Mendes é o homenageado desta edição do Festival de Almada, que o considera "um dos mais significativos servidores públicos das artes de palco em Portugal".

A exposição 'O ator que queria ser sinaleiro' vai estar no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, durante todo o festival, recordando a carreira de mais de 60 anos de Rui Mendes, contados a partir da estreia no Teatro do Gerifalto, em 1956, aos 19 anos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório