Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

Sétima edição do Outono em Jazz com 11 concertos internacionais

A sétima edição do Outono em Jazz leva à Casa da Música, no Porto, um total de 11 concertos de vários nomes, entre "consagrados e novos valores", de 10 de outubro a 04 de novembro.

Sétima edição do Outono em Jazz com 11 concertos internacionais

Na apresentação do ciclo, a Casa da Música destaca este como um festival que "continua a revelar a melhor música que se faz sob a capa abrangente de um género marcado pelo culto da improvisação e da inovação".

"Entre nomes consagrados e novos valores, todas as tendências do jazz são bem-vindas", pode ler-se.

O programa arranca com o quarteto de Martin Sued, pelas 22:00 de 10 de outubro, no Café da Casa da Música, com o compositor e músico argentino a atuar num grupo em nome próprio, com que editou o disco 'Iralidad', depois de interpretar o bandoneón (um tipo de concertina popularizado na Argentina) no Tatadios Cuarteto, no duo Sued-Nikitoff e no Chiche Trio.

No dia 13, o norte-americano Theo Croker, um dos novos talentos do trompete, traz à Casa da Música 'Star People Nation', disco lançado este ano e aqui apresentado com Shekwoaga Ode (bateria), Eric Wheeler (baixo) e Michael King (teclados).

Croker é neto de Doc Cheatham (1905-1995), outro nome importante no jazz nos Estados Unidos, e tem-se dividido entre a inovação dentro do género e o trabalho com músicos hip hop, como J. Cole ou Common, cruzando também os campos do pop, do soul e do funk.

A comemorar 50 anos, o Art Ensemble de Chicago passa pelo Porto em digressão internacional, com dois 'resistentes' da formação original, Roscoe Mitchell e Don Moye, numa sessão de dia 15 antecedida pelo concerto de Ilhan Ersahin, músico natural da Suécia que fez das sessões em Istambul, a explorar o jazz e funk a partir da música turca, o principal corpo de trabalho.

No dia 17, o saxofonista brasileiro Esdras Nogueira reinterpreta o álbum 'Transa', lançado por Caetano Veloso em 1972, num espetáculo intitulado "Em Transe", ao juntar a música brasileira ao jazz mas também ao afrobeat, um ritmo proveniente da música de origem africana.

No dia 20, o coletivo brasileiro de choro Água de Moringa junta-se ao pianista Carlos Fuchs, já depois do quinteto de Wojtek Mazoleweski, seguindo-se, no dia 22, novos sons brasileiros, com um grupo que celebra 60 anos de bossa nova e a dupla João Cavalcanti e Marcelo Caldi.

A 24, chega a vez do grupo ucraniano Pokaz Trio, liderado pelo pianista Andrei Pokaz, acompanhado pelo baixista Yevgeny Myrmyr e o baterista Serhii Balalaiev, dedicado ao cruzamento do jazz "com a música clássica, música do mundo e eletrónica", em particular no álbum "Kintsugi".

A 27, é a vez do trio de Rabou Abou-Khalil, Joachim Kühn e Jarrod Cagwin, uma mistura de sons do Líbano, Alemanha e Médio Oriente, revisitando o disco de 2004 'Journey To The Centre of an Egg'.

A primeira parte traz ao festival um nome português, com Ricardo Toscano a liderar um trio completo com Géraud Portal e Ali Jackson, tendência que continua no dia 30 com o guitarrista Manuel de Oliveira, primeiro, e o quarteto de Rodrigo Amado, depois, aqui acompanhado por Joe McPhee, Kent Kessler e Chris Corsano.

No último dia de outubro, o casal russo Oleg Butman e Natália Smirnova trazem a Portugal o disco de 2017 "Moment of Happiness", mais próximo do swing e com Smirnova a juntar a voz ao piano.

Mark Guiliana encerra o ciclo pelas 21:30 de dia 4 de novembro, líder da banda Beat Music, um disco marcado pelos ritmos eletrónicos e vocalizações, expondo "a ingenuidade sonora e virtuosismo percussivo" do baterista norte-americano.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório