Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Mercado Entrevista Assaltar casas? Intrusos usam (mais)...

Assaltar casas? Intrusos usam (mais) "radiografias e chaves mestre"

Um dos métodos mais utilizados pelos intrusos para assaltar casas ou empresas "é o deslizamento de radiografias ou similares em fechaduras apenas com o trinco." Um golpe seco com um martelo na fechadura e as chaves mestre que manipulam os sistemas de bloqueio do cilindro são outras das técnicas mais usadas, segundo Fernando Solera, diretor de Marketing da Securitas Direct Portugal.

Barómetro de Segurança da Securitas Direct -

Guarda, Santarém e Bragança são os três distritos mais seguros de Portugal.

No momento de assaltar uma habitação ou uma empresa, são várias as maneiras que o intruso utiliza para entrar indevidamente num imóvel. Ainda assim, há quatro formas que se destacam. Um dos métodos mais utilizados "é o deslizamento de radiografias ou similares em fechaduras apenas com o trinco." De acordo com Fernando Solera, diretor de Marketing da Securitas Direct Portugal, "o 'bumping', caracterizado por um golpe seco com um martelo na fechadura, e as gazuas, chaves mestre que manipulam os sistemas internos de bloqueio do cilindro, são também outras das técnicas mais utilizadas para o arrombamento de portas", revela o diretor de Marketing em entrevista ao Casa ao Minuto

Segundo Fernando Solera, "os ladrões também costumam usar inibidores de frequência, o que bloqueia comunicações, sinal wi-fi e outros dispositivos como o rádio, para facilitar a operação do assalto."

A verdade é que tem-se assistido, cada vez mais, a assaltos a pequenos negócios e a moradias no nosso país. De acordo com o Barómetro de Segurança da Securitas Direct, enviado ao Notícias ao Minuto, em 2020, os pequenos negócios, como lojas e restaurantes, registaram cerca de seis em cada 10 tentativas (59%) de roubo ou intrusão, enquanto os escritórios e empresas registaram 29% das incidências e as naves industriais e oficinas apenas 12%.

"O ano passado foi efetivamente o ano com mais incidências nos pequenos negócios. Mais de 1.300 casos, o que revela uma subida de 13%, face ao ano de 2019. Podemos inferir que a pandemia terá tido algum efeito neste crescimento", declara Fernando Solera ao Casa ao Minuto.

Guarda, Santarém e Bragança são os três distritos mais seguros de Portugal

Já no segmento dos particulares, as vivendas e moradias representaram a esmagadora maioria das incidências com nove em cada dez casos. Os apartamentos representaram apenas 10% das mesmas. 

De acordo com o Barómetro que avalia as zonas do país mais seguras, tendo em conta o número de incidências (disparos reais dos alarmes e intrusões) por distrito registados pela Central Recetora de Alarmes da empresa face ao total de instalações de segurança dos seus mais de 160 mil clientes, Guarda, Santarém e Bragança são os três distritos mais seguros de Portugal. "No entanto, quer os distritos da Guarda quer o de Bragança estão situados no Interior e são dos menos populosos do país, oferecendo menos oportunidades para os assaltantes", admite Fernando Solera.

Com o confinamento, vários estabelecimentos comerciais foram obrigados a encerrar, o que criou uma oportunidade para os assaltantes

Segundo o barómetro da empresa, a maioria dos assaltos e tentativas de assalto em 2020 ocorreu entre a uma e as quatro da manhã, o que representa cerca de 29,5% das incidências reais durante este período de tempo. "O que acontece é que os intrusos tendem a invadir casas desabitadas ou desocupadas. No entanto, no que toca a habitações, verifica-se que há uma parte dos assaltos durante o dia quando a casa está desocupada."

Acrescenta ainda o diretor de Marketing da empresa de segurança que, "não nos podemos esquecer que com o confinamento, vários estabelecimentos comerciais foram obrigados a encerrar, o que criou uma oportunidade para os assaltantes. Para ser mais específico, verificámos que lojas que comercializavam tabaco, telemóveis ou pequenos eletrodomésticos foram as mais afetadas", acrescenta. 

Para contornar esta problemática, Fernando Solera sugere que "evite que monitorizem os seus hábitos, não publique informações das suas férias nas redes sociais, deixe uma aparência de casa habitada e assegure a iluminação exterior da casa, durante a noite."

Leia Também: Detido grupo ligado a assaltos no Norte. Apreendidos 11 mil euros e armas

Campo obrigatório