Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Hillary, "arrogância intelectual". Trump, "mentiras de todos os dias"

“Para Clinton, nada está perdido”, antecipa Correia de Campos, que aponta falhas aos dois candidatos às eleições norte-americanas.

Hillary, "arrogância intelectual". Trump, "mentiras de todos os dias"

Correia de Campos dedicou o artigo de opinião publicado esta quarta-feira no site Ação Socialista às eleições presidenciais de 2017 nos Estados Unidos.

Na opinião do ex-ministro da Saúde, “ninguém pode hoje garantir que Hillary Clinton vá vencer. A diferença que a separava de Trump evaporou-se e a disputa agora centra-se nos potenciais estados de viragem, de que a Flórida é o exemplo mais comum”.

O socialista elenca, por isso, os aspetos que podem estar a ditar a queda de Hillary. “O que é que está a correr mal para os democratas? Praticamente tudo: a candidata tem o que se pode chamar carisma negativo. Tem uma imagem de enorme arrogância intelectual, de resto totalmente justificada, dadas as suas capacidades e experiência. Tem passado o tempo a lamentar a falta de nível de Trump (o que nem por ser verdade, acarreta qualquer vantagem), gastou milhões em anúncios na TV dirigidos apenas aos que veem televisão, esquecendo que jovens e ativos cada vez ligam menos aos anúncios da política”, explicou.

A democrata, acrescentou, “adoeceu em plena campanha e tardou em informar o público, levantando escusados problemas sobre a sua capacidade física para o cargo e não consegue apagar dos media aqueles problemas, para nós inexistentes, de ter usado o seu endereço eletrónico pessoal para trocar correspondência de estado, correndo o risco de fugas de informação, o que só agrava a paranóia securitária dos americanos”.

Já em relação ao adversário Donald Trump, Correia de Campos não é menos crítico. “E como se explica que Trump esteja a crescer, mentindo todos os dias como sempre fez, proferindo insinuações e até comentários racistas, divisionistas e falsos? Muito simplesmente por haver milhões de cidadãos zangados e descrentes da política, que de forma ligeira aceitam o quanto pior melhor, a descida aos infernos da inverdade, o vale tudo menos tirar olhos”, atirou.

“Populismo? Não sei se será este o nome adequado para um comportamento simultaneamente desinteressado dos resultados e retirando gozo do disparate. Na esperança de que os assessores, depois, eduquem o candidato eleito, ou até de que o mundo melhore com atitudes de fanfarronice e desrespeito pela comunidade internacional. Uma estranha sensação de desmanchar o politicamente correto, de exaltar a vigarice bem sucedida e a batota nos negócios. Reconheceu-se agora que ao longo de vinte anos, Trump sacou à cidade de Nova Iorque cerca de 350 milhões de dólares em benefícios fiscais, muitas vezes obtidos de forma contenciosa. E continua a recusar divulgar as suas folhas de impostos”, escreveu o socialista.

Em todo o caso, reforça o antigo governante que, “para Clinton, nada está perdido”, até porque, a seu ver, “muitos eleitores relutantes, vão decidir-se por Hillary na derradeira hora, um pouco aterrorizados com a continuação do disparate incessante”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório