Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 12º

"Aquilo que José Sócrates conta não é normal"

Henrique Neto foi dos poucos que não ficou surpreendido com a detenção de José Sócrates. Ao i, o histórico do Partido Socialista (PS) teceu fortes críticas ao ex-primeiro-ministro, aos seus apoiantes “quase religiosos” e, ainda, a António Costa.

"Aquilo que José Sócrates conta não é normal"
Notícias ao Minuto

09:12 - 26/01/15 por Notícias Ao Minuto

Política Henrique Neto

Por conhecer a personalidade de José Sócrates, pelos casos em que o ex-primeiro-ministro esteve envolvido e pelas pessoas com que se rodeava, a detenção do ex-governante não foi, de todo, uma surpresa para Henrique Neto.

Ao i, o militante do Partido Socialista (PS) disse que, “mais cedo ou mais tarde”, a Justiça haveria de se “interessar pelas decisões que os governos dele [José Sócrates] tomavam”, às quais, a seu ver, “faltava racionalidade”. Para Henrique Neto, esta “opinião vem de antes de Paris”, tendo sido formada quando Sócrates era ainda chefe do Governo.

As críticas dos portugueses à atuação da Justiça no caso de Sócrates são, para Henrique Neto, uma situação “grave porque, dadas as coisas que já foram publicadas – e algumas delas com base naquilo que ele próprio [Sócrates] disse – não é compreensível”.

“Aquilo que ele conta não é normal. Pedir aqueles empréstimos ao amigo, de valor tão elevado, não há nenhuma pessoa que pense que aquilo é normal”, frisou, dizendo, ainda, que “houve negócios e decisões do Estado dificilmente compreensíveis”.

“Fala-se agora muito no grupo Lena, que até é uma empresa relativamente pequena. Os governos do engenheiro Sócrates assinaram negócios muito maiores com outras empresas”, referiu, exemplificando o “negócio” feito com a Mota-Engil para o cais de Alcântara, “uma coisa perfeitamente incompreensível”.

“Ainda hoje há pessoas que adoram o engenheiro Sócrates, que acham que foi o melhor primeiro-ministro português e que o defendem até às últimas consequências. Para mim é muito difícil compreender, mas pronto”, lamentou.

Durante a entrevista, Henrique Neto falou ainda da legião socrática, tendo, aqui, referido que António José Seguro “foi vítima disso mesmo”. “Não era possível apaziguar o grupo de apoiantes de José Sócrates, eram quase religiosos”, sublinhou.

Quanto a António Costa, Henrique Neto mostra-se convicto na vitória, mas acredita que a “herança” deixada pelo ex-primeiro-ministro socialista vai pesar nos votos e poderá ser um “perigo” para o ainda autarca de Lisboa.

Relativamente ao seu voto nas eleições legislativas, o histórico socialista ainda não sabe se votará no partido ‘rosa’ mas, para já, uma coisa é certa: se António Costa continuar sem revelar o seu programa, não votará no PS. “O PS não pode ser eleito sem os portugueses saberem ao que vem”, alertou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório