Meteorologia

  • 16 JULHO 2024
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 26º

Montenegro é "principal agente da instabilidade política em Portugal"

Pedro Nuno Santos reagiu assim às recentes declarações de Luís Montenegro. Secretário-geral do PS acusa o Governo de "enganar os portugueses".

Montenegro é "principal agente da instabilidade política em Portugal"
Notícias ao Minuto

12:10 - 14/06/24 por Carmen Guilherme

Política PS

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), Pedro Nuno Santos, acusou, esta sexta-feira, o primeiro-ministro, Luís Montenegro, de ser o "principal agente da instabilidade política em Portugal", referindo que o mesmo "não tem nenhuma vontade de construir o que quer que seja com o PS, mesmo não tendo uma maioria para viabilizar a sua governação". 

Esta posição foi partilhada depois de Pedro Nuno Santos ter sido confrontado com as mais recentes palavras de Luís Montenegro, que disse que o Executivo vai governar mesmo sem convergência

"Se estamos com disponibilidade para construir a convergência, vemos com preocupação essas declarações", começou por dizer o líder socialista, em declarações aos jornalistas, na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém.

Pedro Nuno Santos disse depois ter "duas coisas a dizer" sobre estas declarações, acusando o Governo de "enganar os portugueses" e de "instabilidade política". 

"A primeira é quando o senhor primeiro-ministro diz que governa a pensar na vida concreta dos portugueses. Ora, não é verdade. Temos assistido a um conjunto de medidas que são vendidas como sendo destinadas à classe média, mas que só beneficiam ou beneficiam muito mais uma minoria. Uma minoria a que este Governo chama de classe média, tentando assim enganar os portugueses, que ficam convencidos que muitas das medidas que têm sido apresentadas lhe são dirigidas, quando, na realidade, são dirigidas a uma minoria da população", apontou.

"A segunda é a de que, reiteradamente, o senhor primeiro-ministro, mais uma vez, vem confirmar que não está interessado em envolver o Parlamento, em envolver a oposição, isso é preocupante. Porque temos na pessoa do primeiro-ministro o principal agente da instabilidade politica em Portugal", criticou.

Assim, atirou: "Aquilo que se depreende das declarações do primeiro-ministro é que não tem nenhuma vontade de construir o que quer que seja com o PS, mesmo não tendo uma maioria para viabilizar a sua governação (...) O Governo não se pode comportar como se tivesse a maioria absoluta".. 

Pedro Nuno Santos defendeu ainda que o PS deve ser levado a sério nas discussões e decisões políticas.

"Neste momento, o que me importa alertar é que o Governo tem que arrepiar caminho na forma como lida com a oposição e com o Parlamento. O PS não é um partido suscetível de ser humilhado. Nós elegemos deputados, nós temos um grupo parlamentar, temos um programa eleitoral, temos propostas e temos uma visão do país. E o PS não pode simplesmente ser ignorado", completou.

Recorde-se que, ontem, também durante uma visita a esta Feira, Luís Montenegro considerou que o Governo "não pode obrigar as oposições que não têm vontade política de materializar esse diálogo em convergência".

"O Governo tem dialogado sempre com as oposições. O Governo não pode obrigar as oposições que não têm vontade política de materializar esse diálogo em convergência. Não se confunda isto com arrogância; assuma-se que é pura responsabilidade. Mesmo que não haja convergência, nós vamos governar. Fomos escolhidos para isso", disse.

Estas palavras surgiram já depois de Pedro Nuno Santos ter apontado que o Executivo "precisa também de querer envolver o Parlamento e a oposição", tal como hoje reforçou.

[Notícia atualizada às 12h25]

Leia Também: IL "anti-PS" na Europa? "Haverá espécie de operação de mudança de género"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório