Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
28º
MIN 18º MÁX 37º

Livre traz Brasil e África para campanha e defende "descolonização" na UE

O cabeça de lista do Livre às europeias trouxe hoje África e o Brasil para a campanha e defendeu a "descolonização" dos acordos comerciais entre a União Europeia e outros países, considerando que ainda refletem "olhar paternalista".

Livre traz Brasil e África para campanha e defende "descolonização" na UE
Notícias ao Minuto

18:18 - 30/05/24 por Lusa

Política Europeias

O debate, no atelier "A Fábrica", em Coimbra, era sobre diversidade cultural na União Europeia e contou com representantes do Observatório da Cidadania e Intervenção Social, do Centro de Estudos Sociais e da Associação dos Pesquisadores e Estudantes Brasileiros da Universidade de Coimbra.

Entre os relatos, Francisco Paupério ficou a conhecer melhor as dificuldades dos estudantes internacionais na cidade e ouviu um apelo: falar mais sobre os países africanos mesmo quando estão em causa eleições para o Parlamento Europeu.

Foi isso mesmo que fez quando defendeu a "descolonização" dos acordos comerciais entre a União Europeia e, sobretudo, os países africanos e sul-americanos.

"É importante a forma como a União Europeia se posiciona nestes acordos e o que temos visto é que ainda há muito um olhar paternalista e sobranceiro sobre estas pessoas que impõe, muitas vezes, as nossas medidas", justificou.

Com "descolonização", continuou Paupério, o Livre pretende tornar esses acordos mais justos e que tenham em conta as populações locais e não apenas os interesses europeus.

"Que seja uma entidade justa, que lute pela cooperação e pela solidariedade internacional, algo que consideramos que ainda não está a fazer corretamente", sublinhou.

Por outro lado, o "número um" do Livre às eleições europeias de 09 de junho considerou também que falta coordenação entre as políticas nacionais e as europeias, quando ouviu Patrícia de Marchi, da Associação dos Pesquisadores e Estudantes Brasileiros de Coimbra, a explicar que muitos dos estudantes brasileiros em Portugal depois não conseguem sair do país e conhecer outros estados-membros, incluindo em Erasmus, por atrasos na emissão de documentos.

Mas mais do que falta de coordenação, Francisco Paupério aponta o dedo à Agência para a Integração, Migrações e Asilo.

"É que muitas vezes estas pessoas até estão em condições legais de viajar, mas não podem porque ainda não têm os documentos. Pedimos que a UE tenha mais fundos e que ajude os países que não conseguem ainda lidar com esta burocracia de legalização", disse o candidato do Livre, criticando também o Governo, para quem esta questão deveria ser uma prioridade, mas "não parece ser".

Leia Também: AO MINUTO: AD faz "campanha sem medo"; "Picardias distraem", defende IL

Recomendados para si

;
Campo obrigatório