Meteorologia

  • 20 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 22º

Madeira? "Com humildade, acho que nos vão dar maioria para governo"

As legislativas da Madeira decorrem, domingo, com 14 candidaturas a disputar os 47 lugares no parlamento regional, num círculo eleitoral único: ADN, BE, PS, Livre, IL, RIR, CDU (PCP/PEV), Chega, CDS-PP, MPT, PSD, PAN, PTP e JPP.

Madeira? "Com humildade, acho que nos vão dar maioria para governo"
Notícias ao Minuto

18:51 - 24/05/24 por Notícias ao Minuto

Política Eleições na Madeira

O presidente demissionário do governo regional da Madeira, Miguel Albuquerque, fechou, esta sexta-feira, a campanha eleitoral, referindo que acredita numa vitória do Partido Social Democrata (PSD) e sublinhando também que os discursos dos partidos são diferentes antes e depois das eleições - declarações feitas em relação à eventual rejeição de acordos por parte de outros partidos.

"Espero ganhar as eleições e espero que os madeirenses e porto-santenses votem no único partido para governar a Madeira e manter a Madeira na senda do progresso, desenvolvimento e pleno emprego como temos agora", afirmou o candidato, em declarações aos jornalistas.

"Penso que as pessoas, neste momento, as pessoas não querem brincar aos partidos, nem querem instabilidade", declarou, acrescentando que achava que os residentes não queria um executivo de contingência também.

Quanto aos resultados da última sondagem feita pelo Diário de Notícias da Madeira/TSF, que dão conta de que o PSD ganha, mas sem maioria absoluta, Albuquerque referiu: "Com toda a humildade, acho que [as pessoas] nos vão dar a maioria para governo". Mas, confrontando sobre se acreditava ainda numa maioria absoluta, assumiu que estava "tudo em aberto".

"O que eu tenho pedido é que, em primeiro lugar, o PSD ganhe. Acho importante ganharmos. Em segundo lugar, que ganhe com a maior percentagem possível, no sentido de nos garantir maiores possibilidades de governação, estabilidade e, sobretudo, não pondo em causa o que temos conquistado ao longo dos últimos anos", afirmou, referindo não só a confiança em termos de investimento privado, redução da dívida ou pleno emprego.

Questionado sobre um possível acordo com outros partidos, que têm rejeitado fechar eventuais acordos com Miguel Albuquerque (não com o partido), o presidente demissionário afirmou que é preciso fazer a leitura dos resultados primeiro. "Depois, temos de encontrar plataformas de entendimento e diálogo", defendeu.

"A obrigação dos partidos é interpretar a vontade dos eleitores. Antes das eleições os partidos têm tendência para dizer uma coisa, mas depois das eleições a realidade é outra. Essa realidade é outra, compatível com a vontade dos eleitores", atirou.

As legislativas de domingo da Madeira decorrem com 14 candidaturas a disputar os 47 lugares no parlamento regional, num círculo eleitoral único: ADN, BE, PS, Livre, IL, RIR, CDU (PCP/PEV), Chega, CDS-PP, MPT, PSD, PAN, PTP e JPP.

As eleições antecipadas ocorrem oito meses após as mais recentes legislativas regionais, depois de o Presidente da República ter dissolvido o parlamento madeirense, na sequência da crise política desencadeada em janeiro, quando o líder do Governo Regional (PSD/CDS-PP), Miguel Albuquerque, foi constituído arguido num processo em que são investigadas suspeitas de corrupção.

Miguel Albuquerque constituído arguido após buscas na Madeira

Miguel Albuquerque constituído arguido após buscas na Madeira

Em causa estão crimes como corrupção passiva de titular de cargo político, prevaricação, abuso de poder, participação económica em negócio ou atentado contra o Estado de Direito.

Notícias ao Minuto | 20:03 - 24/01/2024

Em setembro de 2023, a coligação PSD/CDS venceu sem maioria absoluta e elegeu 23 deputados. O PS conseguiu 11, o JPP cinco, o Chega quatro, enquanto a CDU, a IL, o PAN (que assinou um acordo de incidência parlamentar com os sociais-democratas) e o BE obtiveram um mandato cada.

Leia Também: "Miguel Albuquerque agarrou-se ao poder e esqueceu a população", diz JPP

Recomendados para si

;
Campo obrigatório