Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 24º

Pedro Nuno acusa Direita de se esconder atrás da liberdade de expressão

O secretário-geral socialista acusou hoje a direita de se esconder atrás da liberdade de expressão para recusar "dizer não às declarações racistas", assegurando que o PS fará uma luta "sem tréguas" ao racismo, ao ódio e ao ressentimento.

Pedro Nuno acusa Direita de se esconder atrás da liberdade de expressão
Notícias ao Minuto

18:04 - 22/05/24 por Lusa

Política PS

Num vídeo publicado nas redes sociais do partido, o líder do PS, Pedro Nuno Santos, voltou a referir-se à polémica da semana passada que envolveu o presidente da Assembleia da República e declarações do Chega, manifestando incómodo pelo facto de Aguiar-Branco não ter usado os poderes que o regimento lhe confere para "advertir um deputado quando tem uma declaração racista".

"Nós não queremos uma sociedade de ressentimento nem de ódio, e esta é uma grande diferença entre nós e a direita, entre uma direita que se esconde atrás da liberdade de expressão para não dizer não às declarações racistas", criticou.

Num polo oposto está, segundo Pedro Nuno Santos, "uma esquerda, um PS que defende a liberdade", a liberdade das pessoas serem quem quiserem e "o direito a respeitar o outro, a respeitar as suas opções, a respeitar as mulheres, a respeitar todos".

"Esta é uma luta dos socialistas que faremos sempre sem tréguas, sem hesitações. Que ninguém tenha dúvidas. Nós diremos sempre que não ao racismo, ao ódio, ao ressentimento e à divisão. Pela unidade dos portugueses, pela unidade de Portugal", assegurou.

Para o líder do PS, a intervenção que Aguiar-Branco deveria ter feito no debate de sexta-feira não era para impedir ou punir André Ventura, "mas sim de usar aquilo que o regimento já hoje permite para que o presidente da Assembleia da República possa ser não só um exemplo" na condução dos trabalhos parlamentares, mas também "ser um exemplo para o país".

"Este é um tema, se nós repararmos, que juntou a direita toda. O PSD, a IL, o Chega, o CDS. Todos tiveram de acordo porque isto tem também por trás uma determinada visão da sociedade", acusou.

A pergunta que é preciso fazer, segundo Pedro Nuno Santos, é se aquilo que se quer é "um país onde se aceita facilmente a ofensa ao outro, a discriminação, o racismo".

"O PS dará sempre um combate sem tréguas a todas as formas de racismo, as todas as declarações racistas, homofóbicas, machistas. Não é essa a sociedade que nós queremos", comprometeu-se.

A sociedade que o lider do PS quer é uma "que une, não uma sociedade que divide".

O presidente da Assembleia da República insistiu hoje, em conferência de líderes, que não lhe cabe fazer a avaliação da bondade dos discursos dos deputados, ainda que sejam eticamente desvaliosos, assumindo-se como "guardião" do aceitável.

Esta posição de José Pedro Aguiar-Branco consta de um documento intitulado "A liberdade de expressão, uma super liberdade de expressão máxima e de restrição mínima". Uma questão que surgiu depois de as bancadas da esquerda parlamentar o terem criticado por não ter admoestado o presidente do Chega, André Ventura, quando, na sexta-feira, em plenário, se referiu às capacidades de trabalho do povo turco.

Leia Também: PSD rejeita mudar Regimento e dá "razão" a Aguiar-Branco

Recomendados para si

;
Campo obrigatório