Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 26º

Acerto nas pensões? "É preciso chamar ao Parlamento a responsável"

O antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes considerou que é necessário esclarecer se o acerto do IRS nas pensões se tratou "de uma falha técnica ou administrativa" ou de um caso de "negligência técnica ou de gestão".

Acerto nas pensões? "É preciso chamar ao Parlamento a responsável"
Notícias ao Minuto

09:50 - 30/04/24 por Notícias ao Minuto

Política Adalberto Campos Fernandes

O antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes considerou, na segunda-feira, que é necessário esclarecer se o acerto do IRS nas pensões se tratou "de uma falha técnica ou administrativa" ou de um caso de "negligência técnica ou de gestão". "É preciso chamar ao Parlamento a responsável", referiu.

Num espaço de comentário político na CNN Portugal, Adalberto Campos Fernandes afirmou que "em matéria de direitos e, sobretudo, de pensões e de impostos, a última coisa que as forças políticas devem fazer é inventar ou enveredar por caminhos que se aproximam do truque ou do ilusionismo".

O comentador salientou que "tal como aconteceu recentemente sobre as polémicas do aumento do IRS e os equívocos que surgiram relacionados com a posição da Aliança Democrática (AD)", a situação sobre as pensões tem de ser verificada e, "naturalmente, têm de ser apuradas responsabilidades". Assim, o antigo ministro da Saúde considera que "é preciso chamar ao Parlamento a responsável e "perceber se se tratou de uma falha técnica ou administrativa, tratou-se de uma, digamos, negligência técnica ou de gestão".

Para Adalberto Campos Fernandes é ainda fundamental "perceber se há aqui ou não uma dimensão política". Se houver, o comentador considera que "tem que ser denunciada e criticada" e, caso se trate de uma falha, terá de "haver consequências".

"O importante é que com os rendimentos dos cidadãos, seja ao nível das pensões, seja ao nível dos seus direitos, nomeadamente fiscais, a transparência e a total lisura são imprescindíveis. Portanto, não há meios termos, nem pode haver dúvidas", salientou ainda. 

Leia Também: Governo "estupefacto" com acerto do IRS nas pensões pagas em abril

Recomendados para si

;
Campo obrigatório