Meteorologia

  • 23 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 23º

Prova de fogo? "O Governo que não se sente aos meus ombros"

Sebastião Bugalho, de 28 anos, é o cabeça de lista da Aliança Democrática (AD) para as eleições Europeias.

Prova de fogo? "O Governo que não se sente aos meus ombros"
Notícias ao Minuto

19:23 - 24/04/24 por Joana Duarte

Política Sebastião Bugalho

O cabeça de lista da Aliança Democrática (AD) para as eleições Europeias, Sebastião Bugalho, assumiu, esta quarta-feira, que dizer que sim a Luís Montenegro "não foi uma escolha simples". Mas, garantiu que "não é fácil dizer que não quando o primeiro-ministro do nosso país te liga e diz que quer que seja o nosso homem na Europa".

Ainda assim, Bugalho rejeitou a ideia de as eleições Europeias serem uma prova de fogo para o Governo. "O Governo certamente que não se sente aos meus ombros", afirmou. 

Sebastião Bugalho garantiu numa entrevista à SIC Notícias que se sente "preparado" para ir a eleições e que se assim não fosse não "teria dito que sim". "Sinto que estou preparado para essa responsabilidade", assumiu.

"Eu provavelmente sou o candidato a esta eleição que foi mais escrutinado durante o seu percurso, exceptuando talvez a Marta Temido que foi ministra da Saúde durante uma pandemia", garantiu Bugalho que disse ainda que os portugueses o conhecem porque há nove anos que leem as suas colunas de opinião. 

Sobre as críticas, Sebastião Bugalho garante que respeita os críticos e que há algo comum a todos: "nenhum deles diz que nós vamos perder". 

"Rui Moreira era um ótimo candidato"

Questionado se faria sentido que o presidente da Câmara Municipal do Porto fosse o número dois da candidatura, Bugalho garantiu que "Rui Moreira era um ótimo candidato e teria todo o gosto em tê-lo" ao seu lado.

"Não estive envolvido no projeto de convites", assegurou o comentador. Sebastião Bugalho revelou ainda que recebeu o convite de Luís Montenegro para encabeçar a candidatura da AD na segunda-feira e que a escolha "é da responsabilidade do presidente do partido". 

"Eu estou confortável com a decisão", assegurou, admitindo ter "o maior respeito e amizade pelo Rui Moreira". 

"Não vou aceitar um tacho"

Sobre questões de ética por passar de comentador a político, Sebastião Bugalho garantiu que "não há escolha mais democrática que aquela que" fez.  

"Escolhi fazer essa transição da forma mais democrática possível, que é ir a votos. Vou submeter-me e sujeitar-me à apreciação dos meus concidadãos. Não vou aceitar um tacho".

"Quero muito que Portugal tenha uma palavra a dizer"

Bugalho referiu que aquilo que o "seduziu" no projeto foi o "estado do mundo". 

"Está tudo a mudar e a Europa também vai mudar. Portugal tem que ter uma voz nessa mudança. Nós somos um mundo em guerra e a Europa tem de ser um continente virado para a paz. E eu quero muito que Portugal tenha uma palavra a dizer nesse percurso", salientou.

Apoio a Costa? "Por agora essa hipótese não se coloca"

Questionado se vai apoiar o ex-primeiro-ministro António Costa para o Conselho Europeu, Bugalho garantiu que "por agora essa hipótese não se coloca". Ainda assim lembrou o apoio de Costa, enquanto eurodeputado, à candidatura de José Manuel Durão Barroso a Presidente do Comissão Europeia.

"Eu, na vida, acho que reciprocidade é um bom princípio". 

[Notícia atualizada às 19h51]

Leia Também: Bugalho, de jornalista e comentador a "escolha única" da AD nas Europeias

Recomendados para si

;
Campo obrigatório