Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 16º MÁX 29º

Valorização de carreiras na função pública? "Não vemos razões para adiar"

O deputado do PCP António Filipe considerou hoje que não há razões para adiar a valorização de carreiras na função pública, defendendo que já podia ter sido feita pelo anterior Governo e que foi uma promessa do atual.

Valorização de carreiras na função pública? "Não vemos razões para adiar"
Notícias ao Minuto

13:10 - 09/04/24 por Lusa

Política PCP

Em declarações aos jornalistas no parlamento, António Filipe foi questionado sobre a troca de correspondência entre o primeiro-ministro, Luís Montenegro, e o líder do PS, Pedro Nuno Santos, sobre a valorização de professores, forças de segurança, oficiais de justiça e profissionais de saúde, mas recusou comentar "correspondências particulares".

O deputado do PCP salientou, contudo, que são "exigências justas dos profissionais envolvidos" e "devem ser resolvidas", frisando que o PS, quando foi Governo, já o podia ter feito e recordando que foi uma promessa do PSD na última campanha eleitoral.

"Neste momento é o PSD e o CDS que estão no Governo e, portanto, obviamente que teremos de lhes pedir responsabilidades pelo cumprimento daquilo que prometeram aos eleitores", frisou, acrescentando que "isso será feito em breve", tendo em conta que o programa de Governo vai ser discutido esta semana no parlamento.

Questionado se considera que esta situação devia ser resolvida já, António Filipe respondeu: "Nós até já achávamos que elas podiam ter sido decididas pelo Governo anterior, mesmo estando já em funções de gestão".

"Portanto, nós não vemos razões para que essas decisões sejam proteladas, até porque os compromissos que o PSD assumiu, quando ainda estava na oposição, em vésperas de eleições, eram muito afirmativos no sentido da prontidão na resolução desses problemas", afirmou.

António Filipe disse que o PCP está à espera que isso seja feito e acrescentou que "é justo que os portugueses cobrem aos decisores políticos o cumprimento das promessas que fizeram".

Nestas declarações aos jornalistas, o deputado do PCP foi questionado sobre as palavras do ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho que, na segunda-feira, pediu que se dê um "sinal muito forte" para responder aos que expressaram desilusão nas últimas eleições e que não se criem desentendimentos teatrais no espaço político.

Na resposta, António Filipe afirmou que o PCP conhece o pensamento de Pedro Passos Coelho e se recorda da sua governação, salientando que estão ambos "no sentido completamente oposto" do que é defendido pelo PCP.

"Não podemos dizer que seja propriamente uma surpresa e, portanto, naturalmente é uma responsabilidade que o próprio assume perante a sociedade portuguesa", sublinhou.

Na segunda-feira de manhã, Pedro Nuno Santos enviou uma carta a Luís Montenegro a disponibilizar-se para negociar um acordo que, em 60 dias, resolva a situação de certos grupos profissionais da administração pública.

O primeiro-ministro respondeu saudando "o exercício de responsabilidade política e compromisso" do líder do PS e comprometeu-se a agendar "oportunidade uma reunião de trabalho" sobre a valorização das carreiras em questão.

Leia Também: PCP apresenta propostas para combater a corrupção

Recomendados para si

;
Campo obrigatório