Meteorologia

  • 23 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 13º MÁX 24º

Ataque a Montenegro? Costa oferece segurança (e recebe "não" em uníssono)

O líder da AD foi atingido por tinta verde por um ativista climático durante uma ação de campanha em Lisboa e, na sequência desse acontecimento, António Costa ofereceu segurança pessoal aos líderes partidários - que, em uníssono, disseram "não".

Ataque a Montenegro? Costa oferece segurança (e recebe "não" em uníssono)
Notícias ao Minuto

08:33 - 29/02/24 por Daniela Carrilho

Política Legislativas

Luís Montenegro, o líder da Aliança Democrática (AD), foi atingido na quarta-feira com tinta verde na cabeça numa ação de um grupo de ativistas pelo clima - que marcou o dia e gerou inúmeras reações dos partidos políticos, que condenaram o ato.

O incidente - cujas imagens pode ver aqui -  aconteceu durante uma ação de campanha da Aliança Democrática,  na Bolsa de Turismo de Lisboa, na FIL, no Parque das Nações.

"Pontaria não faltou ao jovem que me abordou", afirmou Luís Montenegro, considerando que "era mais fácil termos conversado e dialogado sobre isso".

A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve um dos cinco ativistas do movimento Fim ao Fóssil, que é parte da associação Greve Climática Estudantil Lisboa e, mais tarde, o líder do Partido Social Democrata (PSD) anunciou que formalizaria uma queixa contra o jovem.

Na sequência do ataque com tinta, primeiro-ministro em gestão, António Costa, deu instruções para que a PSP disponibilizasse segurança pessoal aos líderes dos partidos com assento parlamentar que o pretendessem.

Segurança pessoal? "Não"

As reações não se fizeram esperar e os líderes políticos acabaram por estar de acordo, referindo que "não" vão aceitar a 'oferta' de António Costa e a medida "não se justifica".

O secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, dispensou a segurança pessoal, realçando que "nós não precisamos".

Segurança pessoal? "Nós não precisamos", afirma Pedro Nuno Santos

O secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, dispensou hoje a segurança pessoal da PSP disponibilizada pelo primeiro-ministro e desvalorizou uma sondagem recente que dá a vitória à Aliança Democrática.

Lusa | 21:54 - 28/02/2024

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Mariana Mortágua, considerou que, neste momento, "não [se] justifica" esta medida, embora não retire "gravidade ao que aconteceu e o que aconteceu foi um condicionamento do livre decorrer das eleições".

Ataque a Montenegro? "Não há pessoas do BE neste tipo de movimento"

"Se alguém tem provas de alguma coisa acho que deve avançá-las", disse Mariana Mortágua.

Carmen Guilherme com Lusa | 18:51 - 28/02/2024

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), Rui Rocha, também agradeceu a Costa, mas garantiu que irá continuar com a sua atividade "sem nenhuma limitação, sem alterar nada, mas também sem nenhum tipo de segurança", assumindo que "não" vai usufruir porque confia "no país" e "nas pessoas em Portugal".

Segurança pessoal? "Eu agradeço, mas não vou utilizar, confio no país"

O presidente da Iniciativa Liberal (IL) agradeceu hoje ao primeiro-ministro a disponibilização da segurança pessoal, após o ataque de um ativista climático a Luís Montenegro, mas não vai aceitar porque confia no país.

Lusa | 19:29 - 28/02/2024

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Paulo Raimundo, também rejeitou a segurança pessoal oferecida por Costa, salientando que andam "muito à vontade" na rua e não há "nenhuma necessidade dessas medidas".

Segurança pessoal? "Não temos nenhuma necessidade dessas medidas"

Em causa está o ataque ao presidente do PSD, Luís Montenegro, por um ativista climático.

Carmen Guilherme com Lusa | 18:02 - 28/02/2024

Por fim, também o presidente do Chega, André Ventura, que tem uma equipa de seguranças privados a acompanhá-lo, recusou a oferta do primeiro-ministro, que disponibilizou segurança pessoal aos líderes partidários que o pretendam na sequência do ataque ao presidente do PSD com tinta verde por parte de um ativista climático.

Entretanto, na manhã desta quinta-feira, o líder da Aliança Democrática (AD), Luís Montenegro, também reagiu à possibilidade de ter segurança pessoal durante a campanha eleitoral.

"Não conto ter", afirmou peremptoriamente Montenegro, durante a visita a uma empresa no concelho de Ansião, em Leiria.

[Notícia atualizada às 12h19]

Leia Também: Costa oferece segurança a líderes partidários após ataque a Montenegro

Recomendados para si

;
Campo obrigatório