Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 23º

Debates em canal aberto com menos audiências do que em 2022

Os debates transmitidos em canal aberto registaram uma "diminuição das audiências" face a 2022, enquanto nos de informação houve "um aumento do interesse", de acordo com a análise da Universal McCann (UM), agência de meios do grupo Mediabrands.

Debates em canal aberto com menos audiências do que em 2022
Notícias ao Minuto

15:51 - 26/02/24 por Lusa

Política Legislativas

O ciclo de debates para as legislativas de 10 de março arrancou em 05 de fevereiro, com o frente a frente entre Pedro Nuno Santos (PS) e Rui Rocha (Iniciativa Liberal) e terminou em 23 de fevereiro, com o debate entre todos os partidos com assento parlamentar, o qual "ficou na 8.ª posição dos debates mais vistos".

"Analisando de forma global e com todos os debates já realizados é possível verificar uma diminuição das audiências dos debates face a 2022", refere a UM, recordando que nas legislativas de 2022 houve nove debates "com uma audiência média superior a um milhão de telespetadores", enquanto este ano apenas quatro debates ficaram "acima dessa fasquia".

Os canais em sinal aberto emitiram sempre os debates do PS e Aliança Democrática (AD) contra outros partidos com assento parlamentar, tal como em 2022, "despertaram menos interesse" este ano face às últimas eleições (916 mil telespetadores versus 1,137 milhões em 2022).

Em sentido inverso, "encontram-se os debates transmitidos nos canais de informação, que registaram um aumento do interesse dos portugueses", que apresentaram "um crescimento da audiência média (134 mil telespetadores vs 108 mil telespetadores em 2022)", refere a UM.

"Nota ainda para o facto de, em 2022, nos canais de informação, não ter havido nenhum debate com uma audiência média superior a 200 mil telespetadores, sendo que em 2024 tivemos quatro debates que ultrapassaram essa marca", salienta a Universal McCann, referindo que "com a hipótese de maioria absoluta cada vez mais afastada, fica a ideia de que para governar, tanto PS e AD necessitam de fazer coligações/acordos".

Nesse sentido, "os portugueses mostraram maior interesse nos debates entre os outros partidos, pois acreditam que estes partidos podem ter um papel muito importante para a estabilidade governativa do país", considera a UM, na sua análise.

O debate mais visto foi "o frente a frente entre Luís Montenegro e Pedro Nuno Santos", confronto esse que foi transmitido em direto nos três canais generalistas (RTP1, SIC, TVI) e nos canais de informação (RTP3, SIC Notícias e CNN Portugal) e "visto por mais de 2,6 milhões de portugueses, a que correspondeu um 'share' total de 55,8%".

O debate "registou uma maior afluência na SIC, sendo a estação que conseguiu colar mais espetadores à televisão naquele período, ultrapassando os 860 mil telespetadores", enquanto "a TVI verificou uma média de 813 mil e a RTP1 626 mil".

Agora, "olhando individualmente para cada um dos debates realizados nos canais generalistas e respetivos canais de informação, excluindo o debate entre Luís Montenegro e Pedro Nuno Santos", regista-se que "a TVI transmitiu os dois debates mais vistos".

O primeiro, entre André Ventura (Chega) e Pedro Nuno Santos, atingiu uma audiência média de 1,219 milhões de telespetadores e um 'share' de 26,3%. Segue-se o debate entre Luís Montenegro e Mariana Mortágua (audiência média de 1,052 milhões e 'share de 21,5%).

Em terceiro ficou o debate entre Luís Montenegro e Rui Rocha, transmitido pela SIC (audiência média de 1,026 milhões de telespetadores e 'share' 20,5%).

O último confronto entre todos os partidos com assento parlamentar, transmitido a partir das instalações da Nova SBE, em simultâneo na RTP1 e RTP3, "ficou na 8.ª posição dos debates mais vistos e contou com uma audiência média de 751 mil telespetadores (vs. 779 mil telespetadores em 2022), o que representou um 'share' de 16,9% (-0,1 p.p. vs. 2022)".

No balanço das três semanas de debates e observando as audiências no total dia, entre os canais de informação, "é possível verificar um crescimento do 'share' da RTP3 (+0,1 p.p.) e da SIC Notícias (+0,1 p.p.) face ao mês de janeiro".

Leia Também: Montenegro dá nota "mais negativa do que positiva" à PGR e quer reforma

Recomendados para si

;
Campo obrigatório