Meteorologia

  • 23 FEVEREIRO 2024
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 14º

OE2024. Medina encerra debate pelo Governo antes da votação final global

O ministro das Finanças, Fernando Medina, encerra hoje, pelo Governo, o debate do Orçamento do Estado para 2024, antes de o diploma ser objeto de votação final global, disse hoje à agência Lusa fonte oficial do executivo.

OE2024. Medina encerra debate pelo Governo antes da votação final global
Notícias ao Minuto

11:06 - 29/11/23 por Lusa

Política OE2024

Este deverá ser um dos último debates em que António Costa assiste na Assembleia da República enquanto chefe do Governo, depois de ter apresentado a sua demissão das funções de primeiro-ministro no passado dia 07, após o seu nome ter sido envolvido numa investigação judicial.

Desde que exerce as funções de primeiro-ministro, esta será a décima vez que um Governo por si liderado defende no parlamento uma proposta de Orçamento, uma das quais -- a primeira para o ano de 2022 -- foi chumbada na generalidade, o que abriu uma crise política e provocou eleições legislativas antecipadas, que o PS venceu com maioria absoluta.

Em outubro de 2022, quando esse Orçamento chumbou logo na generalidade, com votos cruzados das oposições de direita e dos partidos à esquerda do PS, foi a única vez em que António Costa fez dois discursos de fundo em plenário.

Ao longo de quatro dias de debate e votação na especialidade do Orçamento, que tem aprovação garantida pela maioria absoluta socialista, foram aprovadas mais de 200 propostas de alteração, a maioria das quais, sem surpresa, do PS.

Neste processo orçamental, o PS deixou cair o aumento do Imposto Único de Circulação (IUC) para viaturas anteriores a 2007, introduzido pelo Governo no Orçamento, o que levou a uma troca de acusações sobre eleitoralismo entre a direita e os socialistas.

Os socialistas introduziram ainda medidas como a subida da dedução ao IRS com a renda da casa dos atuais 502 euros para 600 euros, a possibilidade de a parcela do encargo com trabalhadores domésticos poder ser dedutível ao IRS, bem como as empresas que aumentem salários ao universo de trabalhadores em pelo menos 5% em 2024 poderem atribuir uma remuneração aos funcionários a título de participação de lucros, isento de IRS.

O OE2024 foi entregue no parlamento em 10 de outubro e defendido pelo ministro das Finanças, Fernando Medina, como uma proposta que assegura o reforço dos rendimentos das famílias, aposta no investimento e protege as gerações futuras.

No decorrer do processo orçamental, o país entrou numa crise política e vai ter eleições legislativas antecipadas em 10 de março de 2024, marcadas pelo Presidente da República, na sequência da demissão do primeiro-ministro, António Costa.

Contudo, Marcelo Rebelo de Sousa adiou a publicação do decreto de dissolução da Assembleia da República para janeiro, permitindo a votação da proposta orçamental e entrada em vigor do OE2024.

[Notícia atualizada às 11h27]

Leia Também: AO MINUTO: Último orçamento de Costa aprovado hoje; Livre vai abster-se

Recomendados para si

;
Campo obrigatório