Meteorologia

  • 29 FEVEREIRO 2024
Tempo
16º
MIN 11º MÁX 16º

Rangel apoia 'geringonça polaca'. "Uma viragem fundamental para a UE"

Paulo Rangel comentou os resultados das eleições de domingo na rede social X.

Rangel apoia 'geringonça polaca'. "Uma viragem fundamental para a UE"
Notícias ao Minuto

15:05 - 16/10/23 por Notícias ao Minuto

Política Paulo Rangel

Paulo Rangel comentou na rede social X (antigo Twitter) as "grandes notícias" que vieram da Polónia, este domingo, com o resultado das eleições.

Para o deputado europeu, o resultado dá uma "grande esperança" à Europa, uma vez que a Plataforma Cívica de Donald Tusk e os seus parceiros obtiveram "uma maioria confortável" que pode vir a por fora do poder os conservadores populistas do Lei e Justiça (PiS).

"Uma viragem fundamental para a União Europeia e para a democracia liberal", salientou o vice-presidente do PSD.

As palavras de Rangel foram, contudo, criticadas por José Gusmão, deputado europeu do Bloco de Esquerda (BE) que recordou que o PSD, que agora vê com bons olhos uma "geringonça polaca", viu como um "golpe" a geringonça formada pelo PS, PCP e BE, em Portugal, em 2015.

"Para quem não tenha reparado, a Plataforma Cívica não foi o partido mais votado, mas vai haver um acordo maioritário de várias forças, incluindo de Esquerda. Em 2015, o PSD chamava a isto um golpe. É bom ver a derrota da extrema-direita e também esta evolução do PSD", escreveu também na rede social X o bloquista.

Rangel não deixou o colega do Parlamento Europeu sem resposta e garantiu que, pelo menos ele, nunca viu a geringonça portuguesa como um golpe, "bem ao contrário".

"Caro José: a mim nunca me ouviu falar em golpe a esse propósito. Bem ao contrário. Sempre defendi no meu ensino, disse-o em 2015 e mantenho: legitimidade constitucional e política de maiorias formadas no parlamento (mesmo que não lideradas pelo partido vencedor)", recordou, defendendo, contudo, que a situação na Polónia é bem diferente, uma vez que os eleitores deste país sabiam que existia essa possibilidade.

"O problema politicamente pode ser outro e foi em 2015: poderiam os eleitores, ao votar, ter a expectativa desse entendimento? Nas eleições polacas de 2023, sabiam bem disso. Em 2015, em Portugal, votaram na total ignorância dessa possibilidade", concluiu.

Leia Também: Polónia. Uma massa de eleitores forçou a mudança e conseguiu-a à justa

Recomendados para si

;
Campo obrigatório