Meteorologia

  • 01 JUNHO 2023
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 25º

PS propõe que vítimas de violação tenham um ano para apresentar queixa

O Partido Socialista vai propor que as vítimas de violação possam apresentar queixa no prazo de um ano e que sejam dispensadas da prova de insuficiência económica, enquanto outros partidos vão defender a consagração como crime público.

PS propõe que vítimas de violação tenham um ano para apresentar queixa
Notícias ao Minuto

20:53 - 29/03/23 por Lusa

Política PS

O parlamento discute na quinta-feira cinco projetos de lei relativos ao crime de violação, em que quatro deles defendem a consagração como crime público para o crime de violação e outros crimes contra a liberdade sexual.

Em causa estão projetos de lei do Bloco de Esquerda (BE), Chega, partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e Iniciativa Liberal (IL), além de uma petição, que reuniu mais de 107 mil assinaturas pela "Urgência em legislar no sentido da conversão do crime de violação em crime público".

O projeto de lei do PS, por outro lado, defende que o crime de violação se mantenha como crime semi-público, sublinhando que a opção do legislador foi no sentido de valorizar a autonomia da vítima em relação às opções sobre as respostas de que necessitam depois da ocorrência do crime.

O PS entende "que ainda é possível contribuir para uma melhoria das normas penais relativas aos crimes contra a liberdade sexual" e propõe o alargamento do prazo durante o qual é possível apresentar queixa dos atuais seis meses para um ano.

Por outro lado, defende a criação de uma "via verde" no acesso ao direito, "dispensando as vítimas da prova da insuficiência económica", à semelhança do que já acontece com as vítimas de violência doméstica.

A consagração como crime público da violação tem a discordância da Associação de Mulheres Contra a Violência (AMCV), para a qual a estratégia deve ser de proteção das vítimas e a manutenção como crime semi-público, defendendo que "não é ético" avançar com leis quando não há serviços na comunidade.

"E o que acontece é que as mulheres são atiradas para os tribunais e para os serviços sem que os profissionais saibam muitas vezes o que estão a fazer e não criámos a rede especializada", apontou a presidente da associação.

Segundo Margarida Medina Martins, à semelhança do que acontece com a violência doméstica, há uma rede de serviços, mas ainda não foi possível estabilizar os modelos de intervenção e nem todas os técnicos têm os mesmos referenciais de intervenção.

Na opinião da responsável, a violação como crime público não beneficia as vítimas e penaliza-as duplamente, já que ficam "mutiladas pelo violador", e "abandonadas pelos serviços" e pelo sistema, que "é persecutório, não é apoiante e é ignorante".

A presidente da AMCV apontou, por outro lado, que o alargamento do direito de denúncia tem de ser diferente do direito de perícia, defendendo que sejam feitas perícias médico-legais independentemente de a vítima querer ou não apresentar queixa.

Leia Também: Ministra da Justiça admite que crime de violação deve depender de queixa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório