Meteorologia

  • 24 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Ainda não sabe em quem votar? Veja aqui as propostas de cada partido

Vote de forma informada. Conheça aqui quem são as forças políticas na corrida eleitoral e reveja as propostas de cada uma.

Ainda não sabe em quem votar? Veja aqui as propostas de cada partido

As eleições de 30 de janeiro aproximam-se e é imperativo que tire todas as suas dúvidas antes de ser chamado a escolher o partido que crê que deve formar novo Governo. Para que tome a decisão da forma mais informada possível, fizemos um apanhado das principais medidas de cada partido.

Primeiro que tudo, quais são as forças políticas concorrentes?

São 21 as forças políticas a ir a votos em 30 de janeiro, o mesmo número do que em 2019. Estreia-se nestas eleições o Volt Portugal (VP) e dois partidos mudaram de nome: o PNR passou a 'Ergue-te (E)' e o PDR chama-se agora 'Alternativa Democrática Nacional (ADN)'.

Os partidos políticos são: PSD, PS, BE, CDS-PP, PAN, Aliança, Chega, Iniciativa Liberal, Ergue-te, ADN, PCTP-MRPP, PTP, Livre, RIR, MPT, Nós, Cidadãos!, MAS, JPP, PPM e o Volt Portugal.

Além dos partidos que se apresentam sozinhos a eleições, há três coligações candidatas. A CDU (que junta PCP e PEV) concorre a todos os círculos eleitorais, a coligação 'Madeira Primeiro' (PSD/CDS) apenas na Madeira e a Aliança Democrática (PSD/CDS/PPM) apenas nos Açores. A coligação denominada #ESTAMOSJUNTOS, de PPM e PURP, acabou rejeitada pelo Tribunal Constitucional. O PURP ia apenas concorrer às eleições coligado com o PPM nos círculos eleitorais do continente, Europa e Fora da Europa. Já o PPM, além da coligação no círculo dos Açores, vai concorrer apenas pela Madeira, em candidatura autónoma.

As principais linhas de cada partido na corrida eleitoral

PS - Saúde, salários, melhoria dos serviços públicos e educação 

No que concerne a saúde, o PS quer construir ou modernizar, até 2026,  100 unidades de cuidados de saúde primários, a revisão dos incentivos pecuniários e não pecuniários para a atração e fixação de médicos em zonas carenciadas e a valorização das carreiras dos enfermeiros e revisão e generalização do modelo das unidades de saúde familiar. Sobre o trabalho, merecem destaque a ideia de promoção da semana de quatro dias, assim como de modelos híbridos de teletrabalho. Sobre impostos, o PS refere querer valorizar o rendimento dos mais jovens, valorizar os salários médios e dar continuidade ao desenvolvimento de mecanismos que acentuem a progressividade do IRS. Na pasta da justiça, o PS pretende aumentar os modelos alternativos ao cumprimento de pena privativa da liberdade em estabelecimento prisional, definir um programa plurianual de investimentos, prosseguir o reforço do quadro de inspetores da Polícia Judiciária concretizar o princípio da "pegada legislativa". O PS defende a regionalização mediante novo referendo e, quanto ao clima, pretende reduzir para 55 % as emissões dos gases com efeito estufa, assim como aumentar, até 2026, para 80%, o peso das energias renováveis na produção de eletricidade. Veja mais sobre o programa aqui. 

PAN - Direitos humanos, habitação, educação

Na pasta da saúde, o PAN quer "revitalizar o SNS, estabelecendo condições de trabalho de qualidade, gratificantes e atrativas para todos os profissionais de saúde". O Pessoas-Animais-Natureza propõe-se também garantir médico de família a todos os portugueses. Na área do trabalho, o PAN quer o aumento "gradual" do salário mínimo nacional para os 905 euros, por exemplo. Nos impostos, o partido propõe o desdobramento dos atuais 3º e 6º escalões de IRS, reduzir o IVA do consumo de energia renovável, fornecimento de internet, alimentação animal e cuidados veterinários, estender a taxa de carbono à pecuária e descer a taxa de IRC para 17%. Na justiça, quer, por exemplo, rever o Estatuto de Proteção do Denunciante. O clima é o destaque o programa, apresentando um leque de medidas em vários sub-temas, como solos, biodiversidade, florestas, rios, mar, entre outros. Por fim, na pasta de sistema político, quer, a título de exemplo, reduzir para 16 a idade mínima para poder votar. Veja mais sobre o programa aqui

PCP - Salários, saúde e educação, habitação e justiça

No compromisso eleitoral, o partido propõe aumentar e fixar o número de profissionais no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Na pasta do trabalho, o PCP pretende um aumento geral dos salários, com "um significativo aumento do salário médio. Nos imposto, pretende repor o IVA sobre a eletricidade e o gás nos 6%, a mesma taxa para o gás de botija/GPL, e acabar com a dupla tributação nos combustíveis e o adicional do ISP. Na justiça, por exemplo, quer a valorização das carreiras dos profissionais desta área. Sobre o clima, propõe a adoção de medidas de mitigação das alterações climáticas, acompanhadas por objetivos de promoção do emprego, desenvolvimento e modernização do aparelho produtivo do país. Veja mais sobre o programa aqui. 

BEEmergência climática, combate à precariedade e saúde. 

Entre as dezenas de propostas do BE na área da saúde, está o aumento do orçamento do SNS em percentagem do PIB, a exclusão do SNS da aplicação da Lei dos Compromissos e uma estratégia nacional de recursos humanos do SNS, bem como a criação de um regime de carreira em exclusividade para os profissionais do SNS. O BE defende que o salário mínimo nacional deve continuar a aumentar ao longo da legislatura a um ritmo anual de, pelo menos, 10%" e, sobre impostos, defende a introdução de dois novos escalões da tabela de IRS. Na justiça defende, por exemplo, a criminalização do enriquecimento injustificado, com confisco dos bens obtidos por esse meio e a fiscalização do património e dos rendimentos dos titulares de cargos políticos e dos altos cargos do Estado. O clima é uma das grandes áreas do programa do BE às legislativas, que propõe um "programa de investimentos" com o fim de responder à crise climática, uma aposta nos transportes públicos e a necessidade de "democratizar a energia para responder às alterações climáticas e à pobreza energética". Veja mais sobre o programa aqui. 

Livre - Justiça social e ambiental, igualdade e direitos e humanos e saúde

O Livre propõe-se a reforçar e reorganizar o Serviço Nacional de Saúde "com base em comunidades locais, assegurando a sua gestão pública e não renovando os contratos das Parcerias Público-Privadas atualmente ainda em curso". No trabalho, por exemplo, o Livre quer o aumento do salário mínimo nacional para 1.000 euros até ao final da legislatura. A nível fiscal, o Livre propõe que seja retirada a isenção dos impostos sobre o combustível às companhias aéreas e ainda a reformulação do cálculo do IMI, de forma a reduzir a carga fiscal e incentivar o arrendamento de longa duração. O Livre quer reforçar "juízes, funcionários judiciais e funcionários nas secretarias dos tribunais" e avança com a criação de "equipas com assistentes sociais e psicólogos para acompanhamento de vítimas, advogados e juízes em casos de violência doméstica, violência sexual, pedofilia e discriminação". Propõe "regionalizar com eleição direta, sendo que o processo de regionalização deve ser sujeito a referendo". Uma das principais bandeiras do Livre é o 'Novo Pacto Verde', "um plano de investimento ecologicamente responsável a médio-longo prazo". Este partido quer ainda que os cidadãos possam votar a partir dos 16 anos,e  investir no "desenvolvimento e experimentação de sistemas de voto eletrónico não presencial. Veja mais sobre o programa aqui. 

IL - Impostos, saúde e alterações à lei

Em matéria de saúde, a IL defende a reforma do Sistema Nacional de Saúde (SNS), nomeadamente um sistema onde o financiamento é público, mas a prestação é pública e privada. Na vertente laboral, uma das propostas assenta no restabelecimento do regime de banco de horas individual, por comum acordo entre empregado e empregador, podendo o horário normal de trabalho ser aumentado até 2 horas por dia, 50 por semana e 150 por ano e, ainda, promover o trabalho remoto e dos "nómadas digitais. Na fiscalidade, o objetivo é simplificar e desagravar o IRS com introdução de taxa única de 15%, começando de forma gradual com duas taxas de 15% e 28% para aumentar, imediatamente, os salários líquidos. Defendendo uma justiça "mais célere, acessível e independente", a IL quer criar um Conselho Superior das Magistraturas, por exemplo. A Iniciativa Liberal quer mudar o sistema eleitoral, propondo um sistema misto, com ciclos uninominais e um círculo nacional de compensação. Quanto ao financiamento dos partidos políticos promete alterações à lei, acabando com os benefícios fiscais a que têm direito e reduzindo as subvenções. Veja mais sobre o programa aqui. 

Chega - Família, saúde, educação, trabalho

O Chega pretende reformar o SNS "através de compromissos e concorrência equilibrados entre os setores público, privado e social, pretende diminuir "o peso do Estado na economia reduzindo os impostos", propondo medidas como a implementação de uma taxa única de IRS, com um patamar de isenção, e a redução do IRC. O Chega quer reformar o sistema de justiça e propõe a reintrodução da prisão perpétua para crimes como homicídios, terrorismo ou corrupção. O partido defende ainda a criação do "Ministério da Família para assegurar a reconstrução moral, cívica, cultural ou económica da família nas diversas áreas da governação". Veja mais sobre o programa aqui. 

CDS-PP - Natalidade, impostos e saúde

O CDS assume-se contra a legalização da eutanásia e quer que os portugueses possam realizar exames, consultas e cirurgias no setor particular ou social "sem custos" em caso de espera no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Propõe benefícios fiscais à contratação no setor primário e para as famílias a descida de um escalão na tabela de IRS por cada filho, a partir do segundo. O CDS-PP quer descer os impostos sobre os cidadãos e as empresas e propõe eliminar "todas as taxas às quais não corresponda um efetivo serviço público" e "fixar taxa única de IRC em 19%", reduzindo-a "progressivamente ao longo desta legislatura até aos 15%". O partido quer "combater ativamente a corrupção, seja no plano judicial, seja no plano da atividade administrativa". Sobre o clima, o compromisso eleitoral do CDS-PP refere que "Portugal respeitará as diretivas ambientais e de descarbonização impostas pela União Europeia, mas não definirá metas mais ambiciosas se não se traduzirem também em custos mais baixos para a economia, por forma a assegurar a competitividade e a coesão social". Veja mais sobre o programa aqui. 

PSD - Educação, justiça, imposto e saúde

O PSD pretende reestruturar o modo de funcionamento do Serviço Nacional de Saúde e instituir um Sistema Nacional de Saúde assente em três pilares - público, privado e social. No trabalho, defende ser necessário superar o modelo de crescimento assente em salários baixos e compromete-se com o "aumento sustentado da remuneração do trabalho e dos salários médios". O PSD quer reduzir a taxa do IRC dos atuais 21% para 19% em 2023 e para 17% em 2024 - a taxa reduzida aplicável às PME passaria dos atuais 17 para 13% - e cortar 800 milhões de euros no IRS entre 2025 e 2026. Propõe ainda uma reforma urgente da legislação administrativa e tributária e compromete-se a abrir à sociedade portuguesa a discussão sobre a regionalização. Sobre o clima, quer que uma futura revisão constitucional aprofunde as dimensões do ambiente e da sustentabilidade e defende a neutralidade carbónica em 2045. Sobre o sistema político, o PSD propõe-se reduzir, via revisão constitucional, o número de deputados de 230 para 215 e limitar todos os mandatos de cargos políticos, incluindo o dos deputados, para um máximo de três consecutivos. Veja mais sobre o programa aqui

Leia Também: Dispersão dos debates gera "menor atenção" e curta duração é entrave

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório