Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

"PS aspira a fazer mais do mesmo: Reduzir o peso do BE e do PCP"

António Lobo Xavier fez uma análise da situação política atual, enfatizando que a estratégia do Partido Socialista é chegar à maioria absoluta.

"PS aspira a fazer mais do mesmo: Reduzir o peso do BE e do PCP"

Lobo Xavier considera que "o PS aspira a fazer mais do mesmo", ou seja, "reduzir o peso do Bloco de Esquerda e do PCP". "Obviamente, deseja a maioria absoluta. Não sabe se consegue. Mas o seu grande objetivo é que os partidos que fizeram com que o OE não passasse percam eleitorado transferido para o PS", analisou o centrista, numa análise à situação política, no programa 'Circulatura do Quadrado', na TVI. 

No entender do comentador, para o primeiro-ministro é "muito fácil falar de coligações" e vai, por isso, piscar o olho quer à Direita quer à Esquerda. 

"António Costa vai querer mostrar simpatia" para com os antigos parceiros de Geringonça e "vai ressuscitar a frase: 'mesmo que eu ganhe com maioria absoluta, vou sempre negociar com a Esquerda'".

Mas, ao mesmo tempo, "não pode descurar o centro e as relações com o PSD, porque há uma possibilidade de o PS ganhar não tanto como gostaria e ter de fazer um governo e ser-lhe difícil ter um acordo com o PCP e com o Bloco". 

No entender de Lobo Xavier, um acordo com os partidos à Esquerda do PS pode ser difícil pelo "fator Bruxelas".

"O país, a governação e as finanças públicas andaram bastante fora do radar durante a pandemia, mas já estão outra vez no radar. (...) O discurso de António Costa, na Assembleia da República, a explicar por que razão não podia responder às exigências do Bloco e do PCP é um discurso de centro, de razoabilidade, de equilíbrio e de preocupação com  a economia", analisou, frisando que o discurso voltado para o centro não surgiu por acaso.

"Bruxelas está aí, está a controlar a aplicação dos fundos, a verificar os cumprimentos das metas relacionadas com a orçamento e com a dívida (...) António Costa não tem nenhuma vontade de regressar ao radar para ser verificado se está prisoneiro dos radicais ou não", analisou. 

Se para o PS é fácil fazer coligações, porque foi poder nos últimos seis anos, para o PSD já não é assim, defende Lobo Xavier. Com Rio ou com Rangel, "o PSD tem de crescer contra o PS" e, portanto, "não pode cair na armadilha de, desde o primeiro momento, começar a dizer que vai fazer acordos com o PS". 

Depois do chumbo do Orçamento do Estado para 2022 na Assembleia da República, o Presidente da República anunciou a dissolução do Parlamento, convocando eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro de 2022. 

Leia Também: Viabilização do Governo? Rio disponível para "conversar" com PS se perder

Leia Também: "Não diria que haver eleições é uma crise. É solução quando há impasse

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório