Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Rio recandidata-se perante adversário com "pior resultado" do PSD

O presidente do PSD, que apresentou hoje a sua recandidatura, assumiu que não podia dar um passo atrás quando o seu adversário teve o "pior resultado da história" do partido, referindo-se às eleições europeias de 2019.

Rio recandidata-se perante adversário com "pior resultado" do PSD
Notícias ao Minuto

21:40 - 22/10/21 por Lusa

Política PSD

"Não fazia sentido que eu não me recandidatasse quando conduzi o partido a estes êxitos [referindo-se às eleições autárquicas de setembro], é evidente que não ia dar um passo atrás, principalmente quando o adversário que tenho teve o pior resultado da história do PSD [eleições europeias de 2019 em que Rangel foi cabeça-de-lista]", afirmou Rui Rio perante uma sala cheia num hotel do Porto, onde decorreu a apresentação pública da sua candidatura.

Imediatamente a seguir a esta afirmação, num momento dedicado a perguntas de jornalistas e após um discurso de 15 minutos, ecoaram palmas e gritos "Rio vai em frente, tens aqui a tua gente".

Quando falou no pior resultado da história do PSD, o social-democrata aludia às eleições europeias de 2019, em que Paulo Rangel era cabeça-de-lista.

Sem nunca referir o nome de Paulo Rangel, nem sequer quando instado a comentar a candidatura à liderança do PSD do eurodeputado, o social-democrata considerou que o partido está a "correr um risco que era desnecessário".

Para, de seguida, questionar: "as eleições legislativas serão em janeiro se o orçamento não passar, então não era mais prudente ver se o orçamento passava ou não e depois marcávamos as nossas eleições diretas?".

Não dava o PSD ao país um sinal de "muita mais calma, responsabilidade e maturidade", perguntou ainda.

Rui Rio, que foi contantemente interrompido pelas palmas, vincou que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já tem a sua posição "fixa e definida" caso o Orçamento de Estado para 2022 for chumbado, ou seja, as eleições legislativas acontecerão em janeiro.

"Ele disse querer que o orçamento passe e que haja estabilidade, mas se não passar temos eleições legislativas em janeiro, ele disse isso, justamente horas antes do nosso Conselho Nacional", afirmou.

O social-democrata vincou que o Presidente da República não tem de atender aos partidos, mas sim aos interesses nacionais e "muito bem".

Entre os muitos presentes na sala, que estava muito preenchida, obrigando mesmo alguns a ficarem de fora, estavam o líder parlamentar, Adão Silva, o secretário-geral, José Silvano, o novo presidente da Assembleia Municipal do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, e os deputados Maló de Abreu e Hugo Carvalho.

Rui Rio foi eleito pela primeira vez presidente do PSD em 13 de janeiro de 2018 com 54% dos votos contra Santana Lopes e reeleito em 2020 com 53%, numa inédita segunda volta contra Luís Montenegro.

Nas últimas diretas, no Porto (maior distrital do PSD), Rui Rio - que aqui foi presidente da Câmara durante 12 anos - conseguiu 64% dos votos contra Luís Montenegro na segunda volta.

O PSD vai realizar eleições diretas para escolher o presidente no dia 04 de dezembro e o 39.º Congresso decorrerá entre 14 e 16 de janeiro, em Lisboa, e até agora apresentaram-se como candidatos Rui Rio e Paulo Rangel.

Leia Também: "Cabe-nos cumprir a única etapa que nos falta: Ganhar as legislativas"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório