Meteorologia

  • 21 SETEMBRO 2021
Tempo
25º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Cartão vermelho: "Sítios próprios são os tribunais, não o espaço público"

O primeiro-ministro, António Costa, recusou-se hoje a comentar o processo judicial que envolve o ex-presidente do Benfica Luís Filipe Vieira, salientando a tese de que os julgamentos se fazem nos tribunais e não no espaço público.

Cartão vermelho: "Sítios próprios são os tribunais, não o espaço público"
Notícias ao Minuto

13:15 - 17/07/21 por Lusa

Política António Costa

Em declarações aos jornalistas, à margem da XIII Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorre em Luanda, António Costa foi questionado se está arrependido de ter pertencido à Comissão de Honra da lista da candidatura de Luís Filipe Vieira nas últimas eleições para a presidência do Benfica.

"É um assunto sobre o qual não vou falar. Os assuntos que estão na justiça estão na justiça", respondeu o líder do executivo.

António Costa afirmou apenas que confia no funcionamento da justiça, como acha "que todos devemos confiar".

"O primeiro princípio e a melhor forma de demonstrar a confiança na justiça é deixar os julgamentos serem feitos nos sítios próprios. E os sítios próprios são os tribunais e não no espaço público", respondeu.

O empresário e presidente do Benfica Luís Filipe Vieira foi um dos quatro detidos numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros, com prejuízos para o Estado, SAD do clube e Novo Banco.

Vieira, que está em prisão domiciliária até à prestação de uma caução de três milhões de euros, e proibido de sair do país, está indiciado por abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, fraude fiscal e abuso de informação.

Segundo o Ministério Público, o empresário provocou prejuízos ao Novo Banco de, pelo menos, 45,6 milhões de euros, compensados pelo Fundo de Resolução.

No mesmo processo foram detidos, para primeiro interrogatório judicial, o seu filho Tiago Vieira, o agente de futebol e advogado Bruno Macedo e o empresário José António dos Santos, todos indiciados por burla, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e fraude fiscal.

Leia Também: Costa: Entre Governo e Presidente da República nunca há braços de ferro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório