Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2021
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Envio de dados pela CML "mudou o vento da campanha eleitoral"

Paulo Portas considera que a libertação de dados pela Câmara de Lisboa à embaixada russa vai ter expressão nas eleições autárquicas. Ainda sobre a polémica, o comentador lembrou que a autarquia ainda há pouco tempo teve um problema com comunicações eletrónicas, no caso dos festejos do Sporting, e que não houve qualquer consequência.

Envio de dados pela CML "mudou o vento da campanha eleitoral"

Paulo Portas analisou, este domingo, no seu espaço de comentário na TVI24, o polémico envio de dados de três ativistas russos pela Câmara de Lisboa à embaixada da Rússia em Portugal. 

Apontando para a gravidade da situação tanto em termos da violação de direitos fundamentais, como das consequências para a imagem do país lá fora, o antigo dirigente do CDS conjeturou que o caso terá fortes consequências nas eleições autárquicas. 

"Mudou o vento da campanha eleitoral (...) Fernando Medina estava à espera de uma campanha olímpica, com algum desdém pelos seus adversários e, de repente, está à defesa e um bocado atrapalhado nas declarações que faz", defendeu, ainda que admitindo que a vitória socialista na capital é um cenário possível. 

Ainda sobre a libertação de dados à embaixada, Paulo Portas mostrou-se indignado com o facto de a autarquia de Lisboa cometer dois erros "graves" num curto espaço de tempo, relacionados com correspondência eletrónica.

Além do envio de informação pessoal, o antigo ministro recordou o caso da alegada perda de emails da PSP pela Câmara, a propósito da festa do título do Sporting.

"Esta falha que já tem uns meses acontece exatamente no mesmo sítio onde aconteceu uma falha igualmente grave, com outras consequências, que foi a alegada perda ou não transmissão dos emails que a PSP de Lisboa enviou à Câmara por causa das celebrações do Sporting. Como sabem, a PSP era contra o autocarro e contra o ecrã ano estádio. Mas esses emails, segundo a Câmara, não foram transmitidos. Isto revela uma enorme fraqueza e défice de supervisão, controlo e exigência. Mas o que acho extraordinário é que há cinco semanas aconteceu isto [do Sporting] no mesmo local, no mesmo serviço e, que eu saiba, ninguém foi suspenso ou removido", criticou. 

Recorde-se que os jornais Expresso e Observador noticiaram na quarta-feira que a Câmara Municipal de Lisboa fez chegar à Embaixada da Rússia em Lisboa os nomes, moradas e contactos de três ativistas russos que organizaram em janeiro um protesto, em frente à embaixada, pela libertação de Alexey Navalny, opositor do governo russo.

A partilha destes dados foi reconhecida pelo presidente da câmara, que pediu desculpas públicas aos envolvidos e explicou ter-se tratado de um erro no funcionamento dos serviços. Mais tarde, Fernando Medina anunciou que pediu uma auditoria sobre os procedimentos da autarquia relativos à realização de manifestações no município nos últimos anos.

Leia Também: "Fernando Medina não é nenhum agente de Moscovo", diz Marques Mendes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório