Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Discurso de Marcelo foi "certeiro e corajoso" ao "assumir a História"

Vital Moreira defendeu que o discurso do Presidente da República, no âmbito das comemorações da Revolução dos Cravos, foi "muito bom, além de oportuno". O constitucionalista elogiou ainda Marcelo por ser um "Presidente vocacionado para exprimir os anseios da coletividade e velar pela coesão nacional".

Discurso de Marcelo foi "certeiro e corajoso" ao "assumir a História"

Vital Moreira, constitucionalista e antigo eurodeputado do PS, deixou vários elogios à intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa, a propósito do 47.º aniversário do 25 de Abril, que encerrou, ontem, a sessão solene no Parlamento. 

"Muito bom, além de oportuno, o discurso do Presidente da República nas comemorações do 25 de Abril. Certeiro e corajoso, no sentido de assumirmos a nossa história por inteiro, nas suas grandezas e misérias, recusando tanto as gestas mistificadoras como os julgamentos sumários retroativos à luz dos valores do presente", justificou, num texto divulgado, este domingo, no blogue 'Causa Nossa', intitulado "Aplauso: Assumir a História".

Vital Moreira sublinhou também que é em momentos como este que "vale a pena" ter um chefe de Estado "dotado de legitimidade eleitoral forte, eleito numa base suprapartidária, situado à margem da condução política do país e alheio à dialética governo-oposição".

"Um Presidente vocacionado para exprimir os anseios da coletividade e velar pela coesão nacional", rematou. 

O que disse Marcelo? 

No seu discurso, Marcelo Rebelo de Sousa pediu que se faça "história da História" e que se "retire lições de uma e de outra, sem temores nem complexos, com a natural diversidade de juízos própria da democracia".

Recordando os tempos de colonização, o Presidente denotou que o “desenvolvimento, liberdade e democracia”, todos os valores ali celebrados, “sempre foram imperfeitos e, por isso, não plenos", lembrando que nunca foram resolvidos os problemas da "pobreza estrutural de 2 milhões de portugueses e desigualdade pessoais e territoriais", por exemplo. Tudo isso “a pandemia veio revelar e acentuar”. 

Posto isto, o chefe de Estado considerou que as suas reflexões "são atuais porque não há nada como o 25 de Abril para repensar o nosso passado, quando o nosso presente ainda é tão duro e o nosso futuro tão urgente e porque a cada passo pode haver a tentação de repensar o passado em argumento da mera movimentação tática ou estratégica, num tempo que ainda é e será de crise na vida e na saúde". Assim, pediu que se encare com "lúcida serenidade o que pode agitar o confronto político, mas não o que corresponde ao que é prioritário aos portugueses".

Leia Também: 25 de Abril. "Há ainda uma democracia por cumprir", alerta Ana Gomes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório