Meteorologia

  • 11 ABRIL 2021
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 21º

Edição

Vasco Cordeiro lembra "amigo generoso, inteligente e solidário"

O presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, manifestou hoje, em nome de toda a estrutura regional, profunda tristeza pela morte de Jorge Coelho, que lembra como "um camarada e um amigo generoso, inteligente e solidário".

Vasco Cordeiro lembra "amigo generoso, inteligente e solidário"
Notícias ao Minuto

21:45 - 07/04/21 por Lusa

Política Jorge Coelho

"Deixou-nos um camarada e um amigo generoso, inteligente e solidário, a quem o PS e os Açores devem muitas das suas vitórias, um Homem que serviu o País com grande sentido do interesse público", afirmou Vasco Cordeiro, citado em nota de imprensa.

A mesma nota revela que "o Partido Socialista dos Açores recebeu com profunda tristeza a notícia do falecimento do camarada e ex-dirigente socialista, Jorge Coelho".

"Nesta hora de tristeza, o Partido Socialista dos Açores presta uma sentida homenagem ao camarada Jorge Coelho, pela sua dedicação e apego aos valores Socialistas, endereçando à sua família e aos seus mais próximos, bem como a todos quantos tiveram a oportunidade de privar com ele, na vida pessoal ou profissional, as nossas sentidas condolências", prossegue o comunicado.

Jorge Coelho, ministro dos governos liderados por António Guterres entre 1995 e 2002, morreu hoje, segundo fonte do PS, vítima de paragem cardíaca fulminante.

Jorge Coelho foi ministro de três pastas: ministro Adjunto; ministro da Administração Interna; ministro da Presidência e do Equipamento Social.

A partir de 1992, com Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas de outubro de 1995.

Nascido em 17 de julho de 1954, em Mangualde, distrito de Viseu, Jorge Coelho era empresário, mas continuou sempre a acompanhar a atividade política, como comentador de programas como a Quadratura do Círculo, na SIC Notícias e TSF, mas também como cidadão.

Jorge Coelho marcou a atividade política ao demitir-se do cargo de ministro do Equipamento do executivo de António Guterres após a queda da ponte de Entre-os-Rios em 4 de março de 2001, alegando que "a culpa não pode morrer solteira".

Leia Também: Carlos César enaltece frontalidade, clareza e bondade de Jorge Coelho

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório