Meteorologia

  • 17 ABRIL 2021
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Em teletrabalho, Mayan viajou do Porto até às ilhas para receber apoios

Um computador, uma mesa, uma cadeira e um painel da campanha, colocados numa sala ampla, foram o cenário em que Tiago Mayan passou o dia de teletrabalho, que acabou com declarações de apoio da Iniciativa Liberal (IL) Açores e Madeira.

Em teletrabalho, Mayan viajou do Porto até às ilhas para receber apoios
Notícias ao Minuto

20:22 - 21/01/21 por Lusa

Política Presidenciais

Hoje, no penúltimo dia de campanha, o candidato liberal transferiu todas as ações para o 'online'. Com "escritório" montado numa sala de um segundo andar, com vista para o mar, Mayan foi a Aveiro, Braga, Guimarães, Açores e Madeira.

Nuno Barata, deputado eleito pela IL para a Assembleia Legislativa dos Açores, considerou que, de todos os candidatos que estão a concorrer nestas eleições presidenciais, o "Mayan é o único que não é populista, é o único que não diz o que as pessoas querem ouvir".

Da Madeira veio a promessa de uma poncha e de um voto no domingo. Nuno Morna, vice-coordenador da IL Madeira, afirmou estar de "alma e coração" com Tiago Mayan.

"Numa eleição completamente desestruturada ter alguém que vem falar de ideias que prevalecem acima do imediatismo dos 'faits divers', faz com que, com toda a honra e com um enorme orgulho no próximo domingo, eu e muitos madeirenses, iremos fazer a cruzinha à frente do teu nome", afirmou, dirigindo-se ao candidato, a quem agradeceu ainda "pela fabulosa campanha".

Para Mayan, estes são apoios importantes até porque, reforçou, quer ser "Presidente de todos os portugueses" e, por isso, foi perentório em defender o fim do cargo Representante da República nas ilhas.

À conversa veio ainda o tema da autonomia, da qual o candidato apoiado pela IL, diz ser um "feroz defensor", a pandemia de covid-19 e a crise económica e social que também se sente nestes territórios.

Antes de "viajar para as ilhas", Mayan falou ainda com elementos das associações Comercial de Braga e Vimaranense de Hotelaria (Guimarães), de quem ouviu as preocupações relacionadas com os efeitos da pandemia nos negócios e as dificuldades dos empresários.

Tiago Mayan, que passou o dia apenas com um assessor, os jornalistas e em teletrabalho, comentou que esta é a forma possível de fazer campanha em consequência da pandemia e das medidas de confinamento.

"Não é a mesma coisa que estar com as pessoas presencialmente e poder interagir com elas, mas é a forma possível. Claro que, de alguma forma, eu queria estar em contacto com as pessoas e esta foi a forma possível", frisou.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para domingo e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral termina na sexta-feira. Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), o ex-militante do PS Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans e presidente do RIR - Reagir, Incluir, Reciclar, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Leia Também: Tiago Mayan condena qualquer forma de violência ou ameaça

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório