Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

País precisa de "medidas de urgência" e não de "estados de emergência"

PCP confirmou esta quarta-feira ao Presidente da República que se mantém contra o Estado de Emergência. Quanto ao Congresso do PCP, o líder comunista assegurou que "vai ser um exemplo demonstrativo de que é possível exercer direitos e liberdades, tomando as medidas".

País precisa de "medidas de urgência" e não de "estados de emergência"

À saída do Palácio de Belém, Jerónimo de Sousa reiterou que o país precisa de "medidas de urgência" no plano económico e social e "não de estados de emergência".

"Algumas indústrias começam a ter problemas sérios e, no entanto, o Estado de Emergência acabou por prevalecer sem resolver o problema, pelo contrário", afirmou o líder comunista.

Além disso, acrescentou, "os portugueses têm de perceber [as restrições], as medidas têm de ser explicadas, [bem como] o seu alcance, as suas consequências, porque as pessoas têm esta aflição, têm os problemas a agravarem-se quotidianamente".

"E, nesse sentido informamos o Presidente da República que mantínhamos a nossa posição contra o Estado de Emergência", fez saber o líder comunista. O PCP, recorde-se, votou contra o atual Estado de Emergência por considerar ser "desnecessário" e por entender que não resolve os problemas da pandemia

O Governo pretende prolongar por mais 15 dias o Estado de Emergência no país, estando o Presidente da República a receber os partidos para 'medir o pulso' político sobre essa possibilidade. Esta terça-feira,  à saída do encontro com Marcelo, o partido Ecologista Os Verdes avançou que o Executivo estaria a planear dividir o país em três níveis diferentes, consoante o número de casos de infeção, de forma a aplicar medidas mais duras nuns e menos severas noutros. 

Congresso? "Vai ser um exemplo"

Quanto ao Congresso do PCP, que se realiza de 27 a 29 de novembro, em Loures, Jerónimo de Sousa garante que "vai ser um exemplo demonstrativo de que é possível exercer direitos e liberdades, tomando as medidas".

Lembrando que o número de lugares foi reduzido para 50% e que estarão "ausentes milhares de convidados, delegações estrangeiras", o comunista reiterou que "todas as medidas sanitárias - de circulação e proteção individual - serão asseguradas. "É um congresso que permite dar garantias", defendeu. 

Portugal registou 5.891 novos casos de infeção com o novo coronavírus e 79 mortes associadas à doença covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta quarta-feira.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório