Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 6º MÁX 15º

Edição

PS acusa BE de não valorizar apoios e PSD de ressuscitar "diabo"

O vice-presidente da bancada socialista Carlos Pereira acusou hoje o Bloco de Esquerda de não valorizar um Orçamento do Estado com mais apoios sociais e o presidente do PSD de ressuscitar a tese do "diabo".

PS acusa BE de não valorizar apoios e PSD de ressuscitar "diabo"
Notícias ao Minuto

12:41 - 28/10/20 por Lusa

Política OE2021

No discurso que proferiu no segundo e último dia de debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2021, na Assembleia da República, Carlos Pereira começou por citar um artigo escrito pelo conselheiro de Estado Francisco Louçã em 2015 para tentar provar a tese de que o Bloco de Esquerda segue a linha "do seu mentor" ao optar por votar contra a proposta do Governo.

"O Bloco de Esquerda escolheu a perspetiva de não valorizar o Orçamento com mais apoios sociais desta democracia; escolheu a perspetiva de fingir que este não é o Orçamento com mais investimento público desde 2010; escolheu a perspetiva de ignorar o Orçamento com o maior reforço do Serviço Nacional de Saúde desde 2015", defendeu o deputado socialista eleito pela Madeira.

A seguir, Carlos Pereira acusou o Bloco de Esquerda de ter interrompido o processo negocial "numa peculiar e insólita desistência daquela que é hoje a realidade do país".

"O anunciado voto contra é o anúncio da desistência do país", considerou, antes de afirmar que o presidente do PSD, Rui Rio, perante este Orçamento, decidiu "ressuscitar a tese do diabo"

"Para Rui Rio, um Orçamento de crise - a pior das nossas vidas- não deve tentar dar o que pode ser dado para aliviar o sofrimento, para combater a degradação dos indicadores sociais e para proteger a economia e o emprego. Nas escrituras do líder do PSD, as políticas em tempo de crise devem ser aquelas que acrescentam mais crise. É a famosa estratégia da austeridade, que, quando o consumo cai, escolhe o caminho de retirar rendimentos; quando o mercado não gera condições de crescimento económico, o caminho é cortar na despesa negligenciando a relevância do investimento publico", criticou.

Ainda de acordo com Carlos Pereira, o PSD propaga "outra falácia", dizendo que "não há nada para as empresas".

"A avaliação desta questão não deve ser feita apenas pelo que consta no Orçamento, mas também pelo Plano de Recuperação e Resiliência, pelo Quadro Financeiro Plurianual e, não menos importante, pelo Orçamento Suplementar", disse.

Segundo o vice-presidente da bancada do PS, em resposta às dificuldades na procura, "serão introduzidos mais de 500 milhões de euros de incentivo ao consumo, em que se destaca o Ivaucher, mas também um conjunto de medidas que aumenta o rendimento disponível.

Carlos Pereira apontou então os aumentos previstos do salário mínimo e das pensões", antes de referir que, para as dificuldades do investimento privado, será reforçado o crédito extraordinário ao investimento e afetar-se-á quase seis mil milhões do Plano de Recuperação e Resiliência para mecanismos de incentivo às empresas".

No período de debate, o deputado do PSD Carlos Silva considerou que o PS "insiste numa linha propagandística e panfletária, quando a realidade do país é outra".

"Estamos perante a maior queda do PIB (Produto Interno Bruto), uma descida da procura interna e com a TAP a custar aos contribuintes 100 milhões de euros por mês. Lamentavelmente, neste debate, o ministro das Finanças [João Leão] não respondeu a nenhuma pergunta sobre a TAP", apontou Carlos Silva.

O vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS reagiu a estas críticas com perguntas: "O que propõe o PSD para a TAP? O PSD defende que se deve fechar a TAP?"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório