Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2021
Tempo
28º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

"O CDS e o Chega não gostam da ideia sequer do 25 de Abril"

Francisco Louçã referiu que "a sessão que está prevista para o 25 de abril resulta de uma atividade essencial da vida do Parlamento". Já sobre o Dia do Trabalhador e o 13 de maio, o fundador do Bloco de Esquerda mostra algumas reticências.

"O CDS e o Chega não gostam da ideia sequer do 25 de Abril"

O Conselheiro de Estado Francisco Louçã admitiu, esta sexta-feira, no seu espaço de comentário político  semanal na SIC Notícias, concordar com as cerimónias do 25 de Abril no Parlamento, mas mostrou algumas reticências quanto às comemorações do Dia do Trabalhador e dia 13 de maio.

"A sessão que está prevista para o 25 de Abril resulta de uma atividade essencial na vida do Parlamento. O debate sobre se isto é adequado ou não é um pouco absurdo. A comparação que o CDS faz com um ato privado, que não é do Estado, que é uma cerimónia religiosa da Páscoa, não tem sentido", disse o comentador, lembrando que apenas dois partidos votaram contra essa cerimónia e que têm apenas uma razão para tal.

"O CDS e Chega não gostam sequer da ideia do 25 de Abril e, portanto, encontraram aqui um pretexto para mostrar às suas direitas muitos extremadas que são mais fiéis representantes dos seus ideais", atirou.

Já sobre as manifestações do Dia do Trabalhador e o 13 de maio, em Fátima, o fundador do Bloco de Esquerda mostrou-se mais reticente. "O 1 de maio ou 13 de maio devem ser acautelados nas condições que permitam a garantia da segurança das populações", explicou.

Quanto ao 13 de maio, Francisco Louçã relembrou que as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e Direção-Geral da Saúde (DGS) são que se evite aglomerados de pessoas nos próximos meses e, na sequência disso, missas em lugares fechados e com muitas pessoas.

Já quanto ao Dia do Trabalhador, o bloquista deixou aos dirigentes das confederações sindicais uma dica: um manifestação em modo 'caravana' com veículos.

"O maior foco de infeção e de vida das pessoas são os lares"

Outros dos assuntos que Francisco Louçã comentou, esta sexta-feira, foi o facto de existirem muitos casos de infeção de Covid-19 em lares de idosos. De acordo com o antigo deputado, "é preciso olhar com mais atenção" para estes números pois "só nos últimos dois meses é que se começou a perceber que o maior foco de infeção e de vida das pessoas são os lares".

"Os lares em que uma parte importante da população idosa é muito mal cuidada, claro que há exceções, lares com qualidade, mas em geral os lares têm poucas condições para o atendimento das pessoas e perante esta doença menos condições ainda oferecem", garantiu.

Regras especiais de confinamento para os mais idosos? "Inaceitável"

Francisco Louçã considerou hoje ser "inaceitável" que algumas pessoas proponham regras especiais de confinamento para os mais idosos quando se entrar em maio e terminar o Estado de Emergência.

"O tratamento em geral da população mais idosa foi tema de um debate que é este: será que deve haver regras especiais de confinamento para dos mais idosos, diferentes da população em geral quando entrarmos em maio? Isso seria evidentemente inaceitável! Deve haver regras de prevenção, deve haver atenção por parte das pessoas, devem proteger sobretudo as partes da população que são mais vulneráveis, mas não pode haver uma limitação que impeça uma senhora de 70 anos ou um homem de 80 anos de se movimentar na cidade como qualquer outro cidadão porque não há discriminações em termos de idade", recordou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório