Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

"OE é um exercício de escolhas" e "não há hipótese de financiar" tudo

Mário Centeno foi esta quinta-feira entrevistado no Telejornal da RTP. IVA da energia foi um dos principais temas em cima da mesa.

"OE é um exercício de escolhas" e "não há hipótese de financiar" tudo

Mário Centeno foi, esta quinta-feira, entrevistado no Telejornal da RTP, no dia em que o Orçamento do Estado foi aprovado no Parlamento. O ministro das Finanças começou por ser questionado sobre o IVA na eletricidade, respondendo que "um Orçamento de Estado é um exercício de escolhas e há muitas escolhas que foram feitas. Em relação ao SNS, em relação à diminuição da pobreza, em relação ao apoio aos jovens na entrada do mercado de trabalho, ao apoio às famílias nas creches".

Centeno prosseguiu,  reiterando que "são dezenas e dezenas de medidas que estão orçamentadas" e num OE, "principalmente como temos feito nos últimos anos com um grau de previsibilidade da trajetória orçamental definido logo a partir dos Programas de Estabilidade, não há hipótese de financiar todas as nossas ambições e todos os nossos desejos". 

As escolhas "têm de ser feitas no momento certo" e este Orçamento estava "negociado em conjunto com os parceiros com os quais preparamos na anterior legislatura", sublinhou o ministro das Finanças, assegurando que "há mais de mil milhões de euros de despesa" neste documento, "sob a forma de despesa ou menos receita, com os apoios fiscais que estão previstos" que saíram destas negociações. 

"Temos vindo sempre a dizer que não podemos dar passos maiores do que a perna, que temos de ter muita cautela na forma como todas estas medidas são financiadas", disse. 

Mas o certo é que foi aprovada uma redução do IVA da restauração e não uma redução do IVA da eletricidade. Questionado sobre o porquê desta escolha, Mário Centeno fez uma distinção, relembrando que a primeira "fazia parte do programa eleitoral do PS em 2015" e foi feita "com cautela e faseadamente". Já o IVA da energia "não estava no programa eleitoral do PS nem no programa do Governo".

Contudo, "de boa-fé" e "depois de ouvir todos os intervenientes no processo político", o Governo "decidiu avançar nessa direção" e introduzir uma alteração legislativa. "O Governo abriu-se a este debate pelo quadro político que se colocou", acrescentou o 'chefe' das Finanças. 

Esta medida - IVA da eletricidade - tem três dimensões: a orçamental, a social e a ambiental, destacou Centeno. "A dimensão orçamental tem a ver com a questão de saber se, no quadro do Orçamento do Estado havia espaço ou não para financiar a redução do IVA da energia" mas "não foi essa a decisão que o Governo tomou, porque preferiu honrar compromissos que estavam assumidos e que tinham de ser financiados". "Preferimos dirigir o esforço orçamental em 2020 para outras áreas", sendo que no "topo destas está o Serviço Nacional de Saúde". 

Quanto à possibilidade de manter a meta do excedente orçamental apontado, o ministro das Finanças referiu que "os cálculos são de que o OE que saiu da especialidade mantém a mesma matriz do Orçamento inicial" e que o Executivo vai "manter os seus objetivos macroeconómicos para 2020". 

Centeno fica até ao fim da execução do Orçamento? 

"Estou totalmente focado nas minhas funções. Neste momento sou ministro das Finanças e é isso que me importa, amanhã continuarei o meu trabalho", começou por afirmar. "O 'até quando' nas nossas vidas e em particular nas funções de político é um exercício de adivinhação que ninguém se deveria dedicar". 

"Os portugueses têm direito a saber o quanto Portugal progrediu nos últimos anos. Os sucessos que Portugal tem hoje no contexto europeu. Nós estamos, de facto, entre os melhores no desempenho económico e social na Europa", frisou ainda Centeno

Sobre quem irá o Governo colocar à frente do Banco de Portugal, o ministro revelou que "não houve nenhuma conversa sobre essa matéria". "Ainda temos um meses até chegar a esse momento".

Mas, "não dizer nunca a uma determinada ideia é algo que, ao fim de mais de 50 anos de vida, já aprendi que não devo fazer", concluiu Centeno

Recorde-se que a Assembleia da República votou e aprovou, esta quinta-feira, a proposta de Orçamento do Estado para 2020, entregue pelo Governo em meados de dezembro.

Apenas o PS votou favoravelmente o documento. PCP, Bloco, PEV, PAN e a deputada Joacine abstiveram-se, enquanto PSDCDS, Iniciativa Liberal (IL) e Chega votaram contra.

[Notícia atualizada às 20h51]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório