Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2019
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Debate Costa-Rio? "Não vai ser esclarecedor. Possivelmente, nem vou ver"

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, antecipou hoje que o debate televisivo noturno entre António Costa e Rui Rio, não vai ser esclarecedor, admitindo que nem o vai ver por estar ocupado com "outra tarefa".

Debate Costa-Rio? "Não vai ser esclarecedor. Possivelmente, nem vou ver"

"Não quero menosprezar, mas vou ter que fazer e, possivelmente, nem vou ver. Tenho outra tarefa. (risos). De qualquer forma, em relação a expectativas, o quadro é conhecido. Não vai ser um debate esclarecedor, acho eu. Mas não quero fazer juízos de valor. Façam lá o debate que, entretanto, também tenho de realizar uma iniciativa nesse período", disse Jerónimo de Sousa, após visitar uma escola básica em São João da Talha, Loures.

O líder do PCP vai protagonizar uma entrevista transmitida pelas plataformas e redes sociais da Coligação Democrática Unitária (CDU) na Internet em horário coincidente com o debate entre o socialista e atual primeiro-ministro e o presidente do maior partido da oposição, PSD, no âmbito das eleições legislativas de 6 de outubro, que será transmitido em simultâneo na RTP1, SIC e TVI.

Estas declarações do secretário-geral do PCP foram feitas à margem de uma visita a uma escola básica em São João da Talha, Loures, na qual Jerónimo de Sousa aproveitou para se manifestar contra o que qualificou como "ideia peregrina" de impor a reutilização dos manuais escolares gratuitos, condenando a "visão economicista" do ministro das Finanças, Mário Centeno.

"Em primeiro lugar, ninguém pode acompanhar esta ideia peregrina de, nos livros do primeiro ciclo, que têm espaços para as crianças desenharem e colarem, tentar reutilizar ou impedir o acesso a um livro novo com base em que foi estragado, com o objetivo - que me parece até um pouco mesquinho - do Governo, em nome da poupança de uns milhares de euros, impedir que uma criança tenha um livro novo", afirmou o líder comunista. 

Jerónimo de Sousa frisou que não foi isso que foi aprovado na Assembleia da República mas sim "um direito universal" - manuais escolares gratuitos - e advertiu que o PCP não aceita "algum recuo".

"Alertámos para esse sinal em que o Governo, se puder, em relação a alguns avanços, tentará algum refluxo, algum recuo que consideramos inaceitável. É apenas um exemplo poderia dizer-se quase simbólico, mas não é. Estamos numa matéria tão sensível e, por isso mesmo, esta visão economicista, este domínio do Ministério das Finanças para levar ao bloqueamento de avanços alcançados são inaceitáveis", insistiu.

O líder do PCP desejou ainda que "não seja este um dos motivos que levou Centeno [ministro das Finanças] a afirmar que, com maioria absoluta, as coisas far-se-iam mais rapidamente".

Em entrevistas à TSF na sexta-feira, Mário Centeno declarou que "há objetivos que são mais fáceis de atingir" com maioria absoluta.

"Espero que aqui não esteja também a questão dos livros escolares com a sua visão economicista", concluiu Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral comunista, que concorre às eleições legislativas de 06 de outubro pela Coligação Democrática Unitária (CDU), com "Os Verdes" e independentes, regozijou-se com as condições encontradas no estabelecimento de ensino e a boa articulação entre a direção da escola, autarquia e comunidade, nomeadamente a associação de pais.

[Notícia atualizada às 12h20]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório