Meteorologia

  • 16 JUNHO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 24º

Edição

Cristas enviou carta aos centristas. "Mentira" foi a palavra mais usada

A líder do CDS-PP tenta ‘limpar’ a imagem do partido perante os seus militantes depois da crise política que se instalou na última semana.

Cristas enviou carta aos centristas. "Mentira" foi a palavra mais usada

Depois de, na última quinta-feira, o Parlamento ter aprovado, na especialidade, uma alteração ao decreto referente ao descongelamento e pagamento do tempo de carreira dos professores, o país caiu numa crise política que levou o primeiro-ministro a garantir que se demite se o diploma for aprovado na generalidade.

Desde então muitas têm sido as críticas dirigidas aos partidos que aprovaram esta alteração – Bloco de Esquerda, PCP, PSD e CDS – e o partido de Assunção Cristas não tem sido alheio às vozes de reprovação.

Assim, numa tentativa de chegar aos seus militantes e clarificar o que se passou na ‘fatídica’ quinta-feira, a líder centrista enviou-lhes uma carta que, posteriormente, publicou na sua página de Facebook.

Na missiva, a antiga ministra da Agricultura começa por acusar o Governo de “tentar fazer esquecer que foi o governo socialista de José Sócrates quem congelou as carreiras dos professores, em 2005 e 2011”, ao contabilizar “apenas sete anos de congelamento – da troika até hoje”.

De uma forma simples e direta, Cristas divide a carta por subtítulos nos quais explica o que o “CDS propôs”, “o que o CDS chumbou”, o que “o Governo socialista já tinha aprovado”, o que “mudou com a votação” de quinta-feira, o que “foi aprovado” na quinta-feira e as “mentiras que correm”.

No longo texto, Assunção Cristas defende-se ao ataque, colocando uma questão aos centristas: “Depois de 4 anos deste Governo, depois das promessas quebradas, das de um ministro das finanças que diz uma coisa em Portugal e outra em Bruxelas, acha que esta farsa – desmentida por todos os outros partidos, ainda é credível?”.

Segundo a líder do CDS, o que “foi aprovado” na quinta-feira foi “que o congelamento foi de dois períodos, num total de 9 anos, determinados pelos Governos Sócrates; foram mantidos os 2 anos 4 meses e 9 dias que o Governo e Presidente da República tinham garantido; o pagamento destes 2 anos respeita integralmente o OE de 2019; tendo sido chumbados os critérios do CDS para a negociação, ficou apenas a indicação de que será o próximo Governo a ter de negociar a forma”.

Pode ler aqui a carta na íntegra.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório