Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 14º

Edição

Sem avanços sociais, "não haverá apoio da Esquerda ao Governo"

O avanço da onda conservadora que leva a extrema-direita a ganhar eleições no mundo deveria servir de alerta para Portugal, defendeu hoje a deputada do BE Joana Mortágua.

Sem avanços sociais, "não haverá apoio da Esquerda ao Governo"
Notícias ao Minuto

20:44 - 20/11/18 por Lusa

Política Joana Mortágua

Numa intervenção no Foro Mundial do Pensamento Crítico que decorre em Buenos Aires, na Argentina, Joana Mortágua, traçou diferenças e paralelismos entre Portugal e o Brasil.

A eleição de Jair Bolsonaro como Presidente brasileiro um dos temas centrais dos debates neste encontro ibero-americano de forças progressistas.

A ordem no Brasil deve ser por "Democracia" enquanto, em Portugal, o objetivo deve ser o "aprofundamento das conquistas sociais" como uma barreira contra o avanço da extrema-direita, afirmou Joana Mortágua, sublinhando que, "sem esse aprofundamento, não haverá apoio da esquerda ao Governo".

"O Brasil precisa de um levantamento democrático popular que possa reconstruir o sistema constitucional democrático, de baixo para cima. No Brasil, a ordem é democracia, democracia, democracia", insistiu, acrescentando que, em Portugal é preciso "aprofundar as conquistas sociais".

"Se o PS não quiser aprofundar essas conquistas sociais, nossa principal barreira contra a extrema direita, não haverá nenhum apelo de unidade que nos fará participar de governos que não sirvam ao povo e que não sirvam a essa luta contra a extrema-direita", advertiu.

Por isso, acrescentou, é necessário "um projeto capaz de criar esperança em milhões de pessoas".

Joana Mortágua, que falava no painel "Rumo a uma nova política democrática: poder cidadão e justiça", notou ainda que na Europa há forças de extrema-direita, conservadoras e fascistas, que ocupam postos muito importantes nos parlamentos e nos Governos.

"Meu país irmão de língua e de coração [Brasil] tem o seu líder [Lula] que deveria poder apresentar-se democraticamente nas urnas, mas está numa prisão política. E o país mais poderoso do mundo tem um tonto como Trump no governo", definiu. Na Europa, continuou, atacam-se os refugiados.

"No Brasil, Bolsonaro aponta contra negros e favelados. Trump mira nos mexicanos depois do muro. Usam esses bodes expiatórios para justificar a brutal exclusão social e a repressão seletiva", salientou, considerando que é preciso "solidariedade internacional e levantamento democrático popular para derrotar o fascismo".

Em declarações à Lusa, Joana Mortágua explicou que não se pode comparar Portugal com o Brasil, mas pode-se comparar o avanço da extrema direita na Europa com o avanço da extrema-direita brasileira.

"Em Portugal, não podemos dormir à sombra da bananeira. Temos de lutar todos os dias para aprofundar a democracia" alertou.

"Falta um ano para as eleições. A relação de forças está por determinar. Depois de outubro, precisamos de apresentar um programa ao país e ter uma força máxima de apoio a esse programa porque só governos progressistas com uma ampla agenda de direitos sociais conseguem fazer frente a esse avanço da extrema-direita", sinalizou.

Por isso, é necessário aprofundar o caminho que já foi começado com a reversão dos cortes da Troika, defendeu.

"Tivemos uma maioria parlamentar que permitiu esse programa mínimo, mas queremos um programa de máximos, baseado nos direitos, nos investimentos públicos e no controlo democrático da economia", avisou.

Se "o futuro quadro parlamentar não permitir aprofundar essa agenda", o BE não deverá participar em apelos à unidade que, na verdade, são vazios, salientou.

"Não queremos um lugar no Conselho de Ministros. Queremos um governo de esquerda. Isso determina-se pelo programa e pela relação de forças", insistiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório