Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 24º

Costa disse ao MP desconhecer ligação de Lacerda Machado e Start Campus

O ex-primeiro-ministro manifestou-se "chocado" com o dinheiro escondido no Palácio de São Bento e negou qualquer crime de prevaricação. Terá também negado saber a ligação entre o seu amigo Diogo Lacerda Machado e a Start Campus.

Costa disse ao MP desconhecer ligação de Lacerda Machado e Start Campus
Notícias ao Minuto

22:50 - 30/05/24 por Notícias ao Minuto

País Operação Influencer

O ex-primeiro-ministro, António Costa, foi ouvido pelo Ministério Público na semana passada, mais de seis meses após ter sido implicado na Operação Influencer e ter decidido demitir-se do cargo. Ouvido pela procuradora Rita Madeira, ao longo de uma hora e meia, o socialista manifestou-se "chocado" com o dinheiro escondido no Palácio de São Bento e negou qualquer crime de prevaricação. Sabe-se agora que também terá negado saber a ligação entre o seu amigo Diogo Lacerda Machado e a Start Campus.

Já tinha sido noticiado, um dia após a audição pedida pelo próprio, que Costa revelou ficou "chocado" com a descoberta de mais de 75 mil euros escondidos no escritório de Vítor Escária, o então chefe de gabinete do primeiro-ministro.

Na altura, uma fonte ligada ao processo adiantou ainda à SIC Notícias, que o ex-governante garantiu não ter cometido qualquer crime de prevaricação para beneficiar as empresas investigadas na Operação Influencer.

75 mil euros no gabinete? Costa diz-se

75 mil euros no gabinete? Costa diz-se "chocado" e nega prevaricação

O ex-primeiro-ministro António Costa foi ouvido pelo Ministério Público a seu pedido, no âmbito da Operação Influencer, que levou à queda do Governo e à viragem do Executivo à Direita, com Luís Montenegro a ser eleito pelos portugueses, em março.

Teresa Banha | 19:02 - 25/05/2024

O jornal Observador, que indica que Costa foi ouvido como testemunha e não como suspeito, divulgou novos detalhes sobre o caso e revelou que o primeiro-ministro foi "questionado sobre o seu conhecimento dos aspetos centrais da Operação Influencer" e também sobre a sua relação com Diogo Lacerda Machado.

O ex-governante confirmou que se trata de um "amigo próximo" e "padrinho de casamento", mas garantiu que não sabia que o advogado estava a colaborar com a Start Campus, a empresa responsável por um centro de dados em Sines. 

Costa defendeu mesmo que, apesar de o ter viso numa cerimónia da empresa, só soube da ligação do amigo com a Start Campus no dia em que começou a Operação Influencer, a 7 de novembro de 2023.

Confirmou ainda que almoçou com Lacerda Machado num restaurante em Lisboa no verão de 2023, mas explicou que o convite partiu dele e teve como base razões pessoais.

Nesse almoço, o advogado "terá falado dos elevados preços de arrendamento que existiam em Sines, o que dificultava a deslocalização e a concentração de trabalhadores para as empresas que estavam a investir na zona industrial", indicou o Observador. No entanto, a Start Campus nunca foi abordada. 

Recorde-se que a legislatura anterior foi interrompida na sequência da demissão de António Costa, após ter sido tornado público que era alvo de um inquérito judicial instaurado pelo Ministério Público no Supremo Tribunal de Justiça a partir da designada Operação Influencer.

Esse processo judicial está relacionado com a produção de energia a partir de hidrogénio em Sines, Setúbal, e com o projeto de construção de um centro de dados (Data Center) na zona industrial e logística de Sines pela Start Campus.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aceitou de imediato a demissão do primeiro-ministro e dois dias depois anunciou ao país a dissolução do parlamento e a convocação de eleições, que se realizaram no dia 10 de março, dando a maioria ao PSD/CDS-PP/PPM.

Leia Também: Audição de Costa pelo MP abre "um caminho de clarificação da situação"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório