Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 30º

Moreira admite existir "um fortíssimo" sentimento de insegurança no Porto

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, admitiu hoje existir "um fortíssimo" sentimento de insegurança na população relacionado com a toxicodependência, reafirmando a necessidade de o efetivo policial ser reforçado.

Moreira admite existir "um fortíssimo" sentimento de insegurança no Porto
Notícias ao Minuto

14:22 - 23/05/24 por Lusa

País Porto

"Em termos de proteção e segurança, não podemos fazer coisa nenhuma a não ser ajudar a polícia em tudo o que nos é solicitado e têmo-lo feito", afirmou o autarca, à margem de uma visita à obra de reconversão do antigo Matadouro de Campanhã.

O Jornal de Notícias avança hoje que o tráfico e consumo de droga voltaram "em força" à zona da Sé, no centro histórico da cidade, estando atualmente montada uma "sala de chuto" num dos pátios do antigo mercado de S. Sebastião.

Questionado sobre o assunto, Rui Moreira admitiu estar preocupado e disse também ter recebido, na quarta-feira à tarde, a associação de moradores do Pinheiro Manso, na zona de Ramalde, que estão igualmente preocupados com a segurança naquela zona.

"Se fosse apenas na cidade do Porto, a situação era relativamente fácil de resolver, o problema da insegurança não é apenas da cidade do Porto, é um problema europeu e nacional. Lisboa está com os mesmos problemas. Estamos neste momento com um fortíssimo problema que é o sentimento das pessoas de insegurança", afirmou.

Dizendo entender que a população gostaria que "pudesse tomar outras iniciativas", Rui Moreira disse que o município apenas pode colaborar com a PSP e alertar para a necessidade da visibilidade da polícia, recordando a conferência de imprensa que realizou há cerca de uma semana com o seu homólogo de Lisboa, Carlos Moedas.

Questionado se tinha recebido alguma resposta do Governo relativamente ao apelo feito para a necessidade de existir um reforço policial, Rui Moreira afirmou que "para já ainda não".

O autarca disse, no entanto, não estar interessado em "audições com o Governo, para dizerem que estão a pensar no assunto", mas ver concretizadas "soluções objetivas", como o reforço policial.

"Sabemos o que não temos e precisamos de ter", referiu, defendendo também a necessidade de se rever a legislação.

"Continuo a insistir que há parte da legislação que não consigo entender e, relativamente à droga, é preciso escolher, ou se quer uma legalização plena, ou então é preciso combater o tráfico. A situação atual é um paraíso para os traficantes", referiu.

Leia Também: Elevador da Lada no Porto reabre na próxima 2.ª-feira após reabilitação

Recomendados para si

;
Campo obrigatório