Meteorologia

  • 14 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 26º

Fenprof? "Muitas vezes, tenho dúvidas de que educação seja a preocupação"

O ministro da Educação, Ciência e Inovação sublinhou hoje o acordo alcançado com sete das 12 organizações sindicais representativas dos professores para a recuperação do tempo de serviço, elogiando os esforços mútuos de aproximação.

Fenprof? "Muitas vezes, tenho dúvidas de que educação seja a preocupação"
Notícias ao Minuto

21:12 - 21/05/24 por Lusa

País Fernando Alexandre

o cumprimento de uma promessa deste Governo num tempo que eu penso que foi muito rápido. Em cerca de um mês, conseguimos, num processo negocial intenso e em que houve, da parte do Governo e dos representantes dos professores, um esforço de aproximação", disse Fernando Alexandre.

O ministro falava aos jornalistas no final da terceira reunião negocial para definir os termos da recuperação dos seis anos, seis meses e 23 dias e antes de receber a Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

A proposta apresentada hoje pela tutela - que prevê a recuperação do tempo de serviço a uma média anual de 25% entre 2024 e 2027 - foi aceite pela Federação Nacional da Educação (FNE), a FENEI, SIPE, FEPECI, SPLIU, SNPL, e SIPPEB.

O Governo tinha iniciado as negociações a propor a contabilização do tempo de serviço a uma média anual de 20%, sendo que a proposta mais recente, apresentada há uma semana, previa a devolução de 50% nos primeiros dois anos, mas mantinha o prazo de cinco anos inicialmente proposto, com a contabilização de 20% em 2026 e de 15% em 2027 e 2028.

"Mostra o esforço do Governo em aproximar-se das reivindicações, daquilo que são as preocupações do setor, mas também encontramos, em muitos sindicatos, essa vontade de resolver um problema que era muito antigo e que trazia uma grande instabilidade às nossas escolas e que, até agora, nenhum Governo tinha demonstrado disponibilidade para resolver", sublinhou o ministro.

A medida vai abranger cerca de 100 mil docentes e, a partir de 2027, quando já tiver sido devolvida a totalidade dos seis anos, seis meses e 23 dias, terá um custo anual para o Estado de 300 milhões de euros, conforme o Executivo já tinha estimado.

Apesar das reivindicações dos docentes, o Ministério manteve a posição de que a recuperação do tempo de serviço serviria apenas para efeitos de progressão na carreira, não estando previstos quaisquer mecanismos de compensação para os docentes que já estão no topo da carreira ou que se vão reformar entretanto.

(A Fenprof) tem uma agenda muito própria e confesso que em muitas discussões, muitas vezes, tenho dúvidas de que a educação seja a sua grande preocupação e mesmo os professores

Essa era a principal linha da Fenprof e questionado sobre as suas expectativas para a última reunião do dia, com a federação sindical, o ministro disse que "nunca foi parte da solução".

"(A Fenprof) tem uma agenda muito própria e confesso que em muitas discussões, muitas vezes, tenho dúvidas de que a educação seja a sua grande preocupação e mesmo os professores", acusou, considerando que a organização sindical levanta sistematicamente obstáculos e que essa é "uma das razões por que muitos dos problemas se arrastam".  

Fernando Alexandre disse ainda que o encerramento do primeiro processo negocial é o "início de um processo". "Para fazer aquilo que é preciso fazer - e há muito a fazer - era preciso resolver este problema que há muito deixava muitos professores descontentes", defendeu.

Ao início da tarde, o secretário-geral da FNE já tinha considerado que o acordo alcançado marca "um dia histórico para os professores". 

FNE e Governo chegam a acordo sobre recuperação de tempo de serviço

FNE e Governo chegam a acordo sobre recuperação de tempo de serviço

Nestes moldes, os professores receberão 50% da totalidade do tempo de serviço no primeiro ano e, numa duração de dois anos e 10 meses, será recuperada a totalidade do tempo congelado.

Notícias ao Minuto com Lusa | 14:57 - 21/05/2024

Em representação dos cinco sindicatos que participaram na segunda reunião, em que todos assinaram o acordo, a presidente do SIPE, Júlia Azevedo, sublinhou a "vitória de todos, incluindo a escola pública".

A dirigente sindical realçou ainda que o Governo deu a garantia da recuperação do tempo de serviço em dois anos e dez meses "sem perder um único dia".

Por outro lado, entre as organizações que recusaram a proposta da tutela, o presidente da Pró-Ordem, Filipe do Paulo, a presidente da ASPL, Fátima Ferreira e o presidente do SEPLEU, Pedro Gil, explicaram que não houve entendimento com o Governo.

Em representação de quatro, Filipe do Paulo sublinhou que o ministro "insiste em recusar todo este grupo de professores" e que "é uma falta de vontade política" por parte do ministério, referindo-se àqueles que já estão no topo da carreira.

Acordo? Sindicatos saúdam

Acordo? Sindicatos saúdam "entendimento" com Ministério da Educação

No entanto, ficaram "de fora" outros "elementos" e "vontades" por parte destes sindicatos.

Notícias ao Minuto com Lusa | 18:10 - 21/05/2024

Por sua vez, o coordenador nacional do Stop, André Pestana, referiu que o sindicato lamenta que "continue a não existir a salvaguarda da recuperação de todo o tempo de serviço", nomeadamente a dos docentes no fim de carreira e os que se encontram entre o 8º e 10º escalão.

"O Stop não abandona, nem esquece, todos esses milhares de docentes", defendeu, adiantando que o sindicato irá pedir a negociação suplementar.

[Notícia atualizada às 21h37]

Leia Também: Marcelo diz que professores "merecem" recuperação de tempo de serviço

Recomendados para si

;
Campo obrigatório