Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 20º

CEPAC garante que entregou informação sobre linchamento de menino nepalês

Em comunicado, o CEPAC realça que entregou toda a "informação precisa para apuramento dos factos alegados" às entidades competentes e que não falará mais sobre o assunto, uma vez que a exposição poderá prejudicar ainda mais o bem-estar da criança.

CEPAC garante que entregou informação sobre linchamento de menino nepalês

O caso do menino nepalês de nove anos, alegadamente, agredido numa escola do concelho da Amadora, continua a dar que falar.

Depois de o Ministério da Educação ter dito que desconhece a agressão, de o ministro da tutela ter confirmado esse desconhecimento, e de o estabelecimento escolar em causa ter garantido que só tem alunos nepaleses no ensino secundário, a associação que denunciou o linchamento reitera as acusações e diz ter "transmitido informação" às entidades competentes por forma a que a verdade seja apurada.

Num comunicado enviado ao Notícias ao Minuto, o Centro Padre Alves Correia (CEPAC) começa por contar que a diretora da instituição, Ana Mansoa, "foi questionada [pela Rádio Renascença] sobre casos concretos que sustentassem a preocupação manifestada em relação ao aumento de atitudes e comportamentos racistas e xenófobos e à urgência de combater o discurso de ódio, em particular contra as pessoas migrantes".

Perante isso, numa "conversa telefónica, que se teve de boa-fé", continua a associação na mesma nota enviada ao Notícias ao Minuto, "foi referido como exemplo, de memória, o caso em questão, conforme artigo e declarações gravadas que vieram, parcialmente, a público".

Entretanto, garante o CEPAC - que pertence aos Missionários do Espírito Santo, uma congregação missionária que trabalha sobretudo em África - que "foi transmitida às entidades competentes informação precisa para apuramento dos factos alegados" e que está "totalmente disponível para colaborar".

A associação sublinha ainda que é necessário preservar "o anonimato público da criança envolvida e sua família", uma vez que considera que "a exposição nos meios de comunicação social apenas prejudicará o bem-estar" da mesma.

"O Centro Padre Alves Correia não prestará mais declarações sobre o caso aos meios de comunicação social e apela ao respeito pela privacidade da criança e sua família e demais partes envolvidas", conclui o comunicado.

Leia Também: Criança nepalesa. Sem "identificação do caso", ministro apela à denúncia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório