Meteorologia

  • 23 MAIO 2024
Tempo
24º
MIN 12º MÁX 24º

Protetor mais eficaz no 'super' ou farmácia? Compare mais de 40 produtos

A DECO PROTeste realizou um comparador onde pode informar-se sobre dezenas de protetores solares, numa altura em que o verão se aproxima. E quanto à fórmula? Na hora de escolher, saiba se é preferível em 'spray' ou loção... ou se se trata tudo de uma questão de gosto.

Protetor mais eficaz no 'super' ou farmácia? Compare mais de 40 produtos
Notícias ao Minuto

15:53 - 15/05/24 por Notícias ao Minuto

País Protetor Solar

O uso de proteção solar é recomendado não só durante o verão, como também no inverno - no entanto, é quando as temperaturas sobem que este produto se torna mais utilizado.

Com o aproximar do verão, a DECO PROteste ativou um comparador onde colocou 41 protetores solares, e avaliou os produtos de supermercado e também os das perfumarias e farmácias.

De acordo com a avaliação feita pela organização "todos os protetores solares testados cumprem o fator de proteção anunciado FPS 30 e FPS 50 e 50+, no caso dos produtos infantis".

A DECO relembra ainda a importância do FPS, que pretende proteger a pele da radiação solar do tipo UVB, radiação que origina as queimaduras solares, e também da UVA. Tal como nota a organização, esta última radiação é "responsável pelo envelhecimento da pele, e que se manifesta por danos, como rugas, manchas escuras e outro tipo de pigmentação", assim como vários cancros de tipo cutâneo.

Mas, afinal, é melhor ir ao supermercado ou farmácia?

Segundo a análise dos especialistas, a ideia de que um produto com um preço maior vai proteger mais é para 'deixar em casa'. "Pode comprar os protetores solares no supermercado, mesmo para as crianças. Custam um terço do valor das marcas de farmácia e perfumarias, e são de boa e, por vezes, até de melhor qualidade", detalha a organização.

Mas é ainda deixado o alerta de que não só é preciso usar um bom protetor solar, como também utilizá-lo nas quantidades certas. E qual é ela? O "equivalente a sete colheres de chá no corpo e a uma colher cheia só para o rosto", doseiam.

E com que frequência?

Para além da quantidade certa a usar, é preciso também recolocar o produto – idealmente a cada duas horas, ou quando for 'a banhos' – ainda que o escolhido avise que é à prova de água.

Em termos de prevenção, a DECO deixa ainda o conselho de que a informação pode também ser uma boa aliada no que diz respeito a prevenir problemas relacionados com o sol, que, nomeadamente, só se verificam anos depois de uma exposição prolongada.

Para isso, a organização aconselha a sociedade a se "habituar" a ver ao índice ultravioleta (IUV) diariamente, informação disponível no site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) ou em qualquer aplicação de meteorologia. "Este índice mede a intensidade da radiação ultravioleta do sol num local. Varia entre zero (à noite, quando não há luz solar) e o nível extremo de 11, em que a exposição solar deve ser evitada a todo o custo. Quanto mais elevado for o IUV, maior será o potencial de danos para a pele e para os olhos, e menor o tempo de exposição necessário para que estes ocorram", explicam, advertindo: "Estima-se que 80% dos cancros de pele sejam originados pela exposição solar intensa, principalmente quando ocorrem escaldões".

Onde quer que seja: ‘spray’ ou loção?

Para além dos testes feitos pela DECO, houve ainda 30 consumidores que avaliaram cada um dos mais de 40 produtos e, sem ver a marca, avaliaram questões como o odor, textura, facilidade de aplicar, absorção e aspeto na pele.

Quanto à eficácia, a organização refere que todos os produtos são iguais, e que os consumidores demonstraram o "seu agrado" quando às duas formulações.

"As loções são mais espessas e cremosas, enquanto os sprays são mais leves e transparentes na pele", distinguem, reforçando: "Ambos são escudos eficazes contra as radiações e apreciados pelos consumidores. E são adequados para o corpo e o rosto".

No caso de um 'spray', no entanto, é preciso ter cuidado apenas com um aspeto: evitar a direção dos olhos, já que apesar de não ser perigoso, o contacto com os olhos pode causar irritação ocular. E se 'escapar' protetor para os olhos? "Numa situação deste tipo, passe os olhos por água e seque bem. Use óculos de sol para proteger os olhos", advertem.

"Os protetores em spray e loção com FPS 30 testados custam, fazendo as contas por 200 mililitros (as embalagens têm capacidades diferentes), entre 5 e 30 euros. Já as versões para criança chegam a custar mais de 80 euros. Ou seja, há marcas seis a oito vezes mais caras e que não são forçosamente melhores", lê-se.

E o ambiente?

Outra questão levantada pelos especialistas foi em relação ao ambiente, que continua a deixar espaço para melhorias. "Os melhores neste critério não passaram da mediania. Entre os principais problemas está o desperdício. Na maioria dos casos, não se consegue aproveitar o produto até ao fim. Com o Corine de Farme Spray Protetor Hidratação+ SPF30, o pior neste critério, quase um terço do produto fica retido no fundo da embalagem, o equivalente a um desperdício de 4 euros", explicam.

Foram ainda detetadas na análise substâncias com impacto negativo no ambiente, nomeadamente, octocrileno – um tipo de filtro solar, presente em três produtos com FPS 50+ – ou como o limoneno, uma fragrância alergénica. 

Leia Também: Sete protetores solares faciais chumbam nos testes da DECO PROteste

Recomendados para si

;
Campo obrigatório