Meteorologia

  • 14 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

"Melhor caminho". Governo prioriza baixar IRS sobre impostos indiretos

O primeiro-ministro assumiu hoje que o Governo prioriza a redução do IRS sobre a dos impostos indiretos, depois de o PCP o ter desafiado a baixar o IVA sobre a eletricidade, gás e telecomunicações.

"Melhor caminho". Governo prioriza baixar IRS sobre impostos indiretos
Notícias ao Minuto

12:42 - 11/04/24 por Lusa

Economia Governo:

No debate sobre o programa do XXIV Governo Constitucional, no parlamento, Luís Montenegro reconheceu que em Portugal há "um índice de tributação enorme, e que atinge todas as formas de tributação, incluindo a tributação indireta".

No entanto, o chefe do executivo sublinhou que "não é possível baixar todos os impostos e muito menos baixar os impostos todos de uma só vez".

"A prioridade do XXIV Governo é descer os impostos sobre o rendimento do trabalho. É essa a nossa prioridade e nós assumimo-la", salientou Luís Montenegro, acrescentando que, do ponto de vista da "justiça relativa", é o "melhor caminho para se tratar a igualdade de oportunidades em Portugal".

"Do ponto de vista económico, é também o melhor caminho para poder incentivar os trabalhadores portugueses a darem o seu esforço, o seu compromisso, na obtenção de melhores resultados", disse.

É por isso, prosseguiu o primeiro-ministro, que o Governo optou por proceder à descida da taxa do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) e, ao mesmo tempo, estimular "os ganhos de produtividade relativamente à parte da retribuição que possa estar associada a níveis de desempenho".

"É uma opção política assumida. Eu registo a pretensão do PCP em estender o desagravamento fiscal a outras áreas da nossa fiscalidade", disse.

Antes, na sua primeira intervenção no parlamento, o secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, considerou que o programa do Governo só tem "considerações vagas" e "novos ataques" no que é referente aos "direitos dos trabalhadores, reformas, combate à injustiça, desigualdades, precariedade, horários desregulados".

"Sobre salários, demagogia e contenção é a palavra de ordem, numa altura em que cai por terra o mito da produtividade, esse mito no qual o Governo sustenta parte da justificação do seu próprio programa", frisou.

Para Paulo Raimundo, o Governo "procura sempre justificações para travar o aumento dos salários, uma maior distribuição da riqueza", mas encontra sempre "razões para fazer mais favores aos grupos económicos e para retirar ao Estado as condições e os meios para cumprir as suas funções, como é o caso agora da redução anunciada do IRC".

"Há impostos, de facto, que deviam baixar. E aqui fica a primeira pergunta: está o Governo disponível para baixar o IVA na eletricidade, no gás, nas telecomunicações? Vai o Governo ser um verdadeiro 'passa cheques' aos interesses do grande capital?", questionou.

Leia Também: Gestores portugueses menos otimistas em março

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório