Meteorologia

  • 24 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 13º MÁX 24º

Arma de assaltante morto por polícia de elite em Benfica seria falsa

Tiro fatal foi disparado num prédio onde só moram polícias, depois de o agente ser alvo de assalto à mão armada que começou num semáforo de Algés, concelho de Oeiras.

Arma de assaltante morto por polícia de elite em Benfica seria falsa
Notícias ao Minuto

09:44 - 02/04/24 por Notícias ao Minuto

País Criminalidade

Uma tentativa de assalto à mão armada terminou, na madrugada de segunda-feira, com a morte de um dos ladrões, em Benfica, Lisboa. O atirador é um agente do Corpo de Segurança Pessoal da Polícia de Segurança Pública (PSP), com cerca de 50 anos, que um dos assaltantes terá escolhido ao acaso, enquanto o polícia estava no interior do seu carro particular, parado num semáforo de Algés, no concelho de Oeiras. Eram cerca das 3h00 da madrugada de segunda-feira.

Num primeiro momento, o polícia de elite foi obrigado a seguir viagem pelo homem que o abordou sob ameaça de uma suposta arma de fogo, até uma zona descampada, onde esperava uma mulher, cúmplice do suspeito. Em seguida, foi levado até a um multibanco e depois até à sua residência em Benfica onde, segundo o Jornal de Notícias (JN), reside com a mulher e a filha que, naquela madrugada, se encontravam fora de Lisboa devido às celebrações pascais na terra natal, no Norte do país.

Quando chegaram à habitação, o agente subiu com o elemento masculino da dupla de assaltantes ao primeiro andar do prédio - onde, também de acordo com o JN, só vivem polícias - no Bairro do Charquinho, enquanto a suspeita ficou no exterior à espera, num BMW cinzento.

Já no interior da residência, revelou a PSP num comunicado enviado na segunda-feira às redações, o polícia conseguiu alcançar a sua Glock 19 atribuída pela PSP e, por continuar sob ameaça de suposta arma de fogo, identificou-se como agente e efetuou um disparo, atingindo mortalmente o assaltante no peito.

Só nessa altura, quando o suspeito, identificado como Amílcar Pinto, de 49 anos, caiu inanimado e largou a arma, relata o Correio da Manhã, é que o polícia se apercebeu de que se trataria de uma réplica e não de uma pistola real. 

Posteriormente, o homem pediu ajuda aos vizinhos polícias, que se encontravam no prédio, fora de serviço. A suspeita, que continuava no exterior do prédio, foi imediatamente retida e as autoridades chamadas ao local.

A Polícia Judiciária (PJ) tomou, entretanto, conta da ocorrência. A mulher foi detida e indicada por crimes de sequestro e roubo, devendo ser esta terça-feira presente a tribunal para interrogatório judicial. Os motivos do assalto estarão relacionados com um quadro de toxicodependência e descompensação, tanto do suspeito morto como da cúmplice.

O polícia já foi também ouvido pelos inspetores da PJ. Segundo fontes policiais, citadas pelo JN, este terá agido dentro dos procedimentos previstos. Apesar disso, deverá enfrentar um procedimento criminal e disciplinar.

Leia Também: PSP que matou raptor foi abordado em semáforos. Segunda suspeita detida

Recomendados para si

;
Campo obrigatório