Meteorologia

  • 25 ABRIL 2024
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 19º

11 países da UE (Portugal também) pedem objetivos climáticos ambiciosos

Onze países da União Europeia (UE), entre eles Portugal, apelam num documento conjunto para um objetivo climático ambicioso para 2040, assegurando a neutralidade climática até 2050.

11 países da UE (Portugal também) pedem objetivos climáticos ambiciosos
Notícias ao Minuto

15:51 - 26/01/24 por Lusa

País Clima

No documento, os responsáveis pelas pastas do ambiente começam por afirmar que a necessidade de uma ação climática ambiciosa nunca foi tão evidente, lembram que 2023 foi o ano mais quente, e avisam que o aquecimento global deverá intensificar "uma série de efeitos adversos que põem em risco o bem-estar e a segurança do mundo".

Os ministros lembram também a última reunião da ONU sobre o clima, a COP28, e as decisões que dela saíram, considerando depois fundamentais ações "concretas e ambiciosas" da UE, que darão um sinal político forte de que "a UE dará o exemplo", e convencerão outros emissores de gases com efeito de estufa a trabalhar para impedir um aumento das temperaturas acima de 1,5 °C em tempo útil antes da COP30.

"No entanto, só conseguiremos persuadir os outros a darem um passo em frente se conseguirmos fazer o trabalho em casa. Por conseguinte, incentivamos vivamente a Comissão Europeia a recomendar, na sua próxima comunicação, um objetivo climático ambicioso para 2040. Ao mesmo tempo, temos de assegurar uma aplicação correta do pacote legislativo ´Fit for 55´", dizem os responsáveis.

O documento faz também referência a uma transição justa e equitativa, à necessidade de que a UE esteja "plenamente no bom caminho" para a neutralidade climática até 2050, o mais tardar, e à necessidade também de a UE apresentar contributos (os chamados contributos nacionalmente determinados, NDC na sigla original) ambiciosos para 2030, que contribuam para a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis.

"Aumentar o nível de ambição será uma tarefa considerável. Para liderar o processo, temos de garantir que a ação climática seja uma oportunidade para todos. A transição ecológica deve, por conseguinte, continuar a ser economicamente viável, os custos geríveis e não deixar ninguém para trás, especialmente os cidadãos mais vulneráveis", dizem os ministros.

Aliando o cumprimento das metas e o crescimento económico, os ministros falam de incentivar o fabrico na UE de tecnologias de emissões nulas, aumento a competitividade e trazendo "múltiplos benefícios" para os cidadãos, e pedem à Comissão que se pronuncie por uma abordagem mais rentável e fiável da política climática da UE, em todos os setores.

Além do ministro português do Ambiente, Duarte Cordeiro, assinam o documento os ministros com a mesma pasta da Áustria, Bulgária, Alemanha, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Irlanda, Luxemburgo e Países Baixos.

Leia Também: Só a Dinamarca cumpriu novas regras do sistema de troca de emissões

Recomendados para si

;
Campo obrigatório