Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2024
Tempo
MIN 9º MÁX 14º

Bloco quer AMP na AR para responder "pelo caos" nos transportes

O BE criticou hoje a "leviandade e amadorismo absolutamente inaceitáveis" com que considera terem sido feitas as alterações nos transportes do Porto e pediu a audição parlamentar urgente do presidente do Conselho Metropolitano do Porto para responder "pelo caos".

Bloco quer AMP na AR para responder "pelo caos" nos transportes
Notícias ao Minuto

19:14 - 05/12/23 por Lusa

País Bloco de Esquerda

"As alterações dos transportes públicos na Área Metropolitana do Porto (AMP), que têm provocado o caos na vida das pessoas, mostra como muitas das vezes alterações estruturais na mobilidade são tomadas com uma leviandade e um amadorismo que são absolutamente inaceitáveis", disse, em declarações aos jornalistas no parlamento, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares.

Em causa está a UNIR, a nova rede de autocarros da AMP que começou na sexta-feira a operar em todo o território da região, após anos de litigância nos tribunais com os anteriores operadores.

Entre os problemas desde que começou a operação está, segundo o bloquista, a supressão de carreiras ou a falta de apresentação dos horários, o que obriga "a que os responsáveis da AMP venham também ao parlamento responder sobre esta circunstância".

"Entregámos na comissão de economia um pedido para que o presidente do Conselho Metropolitano do Porto, o presidente da câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, possa vir ao parlamento responder sobre este caos que foi levado à vida das pessoas", anunciou.

Para Pedro Filipe Soares, não são aceitáveis "nem o amadorismo nem a leviandade" com que se tomam "decisões que têm impacto na vida de centenas de milhares de pessoas", sendo preciso apurar responsabilidades políticas.

"Porque o parlamento também acompanha a forma como os direitos de mobilidade são materializados, chamámos Eduardo Vítor Rodrigues, o responsável pela AMP, a vir ao parlamento", justificou.

A nova rede de 439 linhas e nova imagem substituiu os serviços efetuados pelos cerca de 30 operadores privados rodoviários na AMP, como por exemplo a Caima, Feirense, Transdev, UT Carvalhos, Gondomarense, Pacense, Arriva, Maré, Landim, Valpi, Litoral Norte, Souto, MGC, Seluve, Espírito Santo, entre outros.

No Porto e nos concelhos vizinhos, o serviço da STCP (Sociedade de Transportes Coletivos do Porto) mantém-se inalterado.

Toda a rede UNIR utilizará o sistema de bilhética Andante, e acaba com um modelo de concessão linha a linha herdado de 1948, já que o concurso público foi dividido em cinco lotes, ainda que todos operem sob a mesma marca.

Leia Também: Aeroporto? "Postura do PS e PSD explica o motivo dos atrasos no país"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório