Meteorologia

  • 21 ABRIL 2024
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 26º

"Margarida Tengarrinha foi protagonista da luta antifascista em Portugal"

As palavras são do presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, que lamentou a morta da artista e escritora, aos 95 anos.

"Margarida Tengarrinha foi protagonista da luta antifascista em Portugal"
Notícias ao Minuto

08:32 - 27/10/23 por Notícias ao Minuto

País Santos Silva

O presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, lamentou a morte da artista e escritora, Margarida Tengarrinha, aos 95 anos, considerando que foi "uma protagonista fundamental da luta antifascista em Portugal".

"Lamento o falecimento de Margarida Tengarrinha, que foi uma protagonista fundamental da luta antifascista em Portugal e, depois do 25 de Abril, deputada à Assembleia da República", escreveu Santos Silva, numa nota na rede social X (antigo Twitter).

O presidente do parlamento apresentou ainda "sinceras condolências à sua família e ao Partido Comunista Português [PSP]".


De recordar que Margarida Tengarrinha morreu, na quinta-feira, aos 95 anos. A morte da artista e escritora foi confirmada ao Notícias ao Minuto pelo PCP.

Mais tarde, o partido acabou por emitir uma nota, na qual expressou "profundo pesar" pela morte da artista, tendo ainda revelado que o corpo de Margarida Tengarrinha estará em câmara ardente na Casa Mortuária da Igreja do Colégio em Portimão, na terça-feira, dia 31 de Outubro, a partir das 09h30. Pelas 12h30 sairá para o crematório de Albufeira. A cremação realizar-se-á às 14h00.

Nascida em Portimão, em 1928, Margarida Tengarrinha foi militante e dirigente do PCP.

Foi na Escola de Belas Artes, em Lisboa, em 1948, que iniciou a sua atividade política, pelo Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUD). Manifestou-se pela saída de Portugal da NATO e contra a cimeira da Aliança em 1952 na capital portuguesa, o que viria a ditar a sua expulsão, no mesmo ano, da Escola de Belas Artes.

Nessa altura viria a conhecer o companheiro e pai das duas filhas, o artista José Dias Coelho, e tornar-se-ia também membro do Partido Comunista, com 24 anos.

Tal colo lembra o PCP, Margarida Tengarrinha passou à clandestinidade em finais de 1954. A "sua primeira tarefa foi então a criação", com José Dias Coelho da '"oficina' de produção de documentos de identificação e outros necessários à intervenção clandestina do partido".

Em 1962, após o assassinato de José Dias Coelho pela PIDE, Margarida Tengarrinha "foi para o exterior tendo exercido tarefas na Rádio Portugal Livre. Em 1968 regressa a Portugal, tendo participado na redacção do Avante! e do jornal A Terra". Foi responsável pelos organismos do Trabalho Camponês da Organização do Norte e posteriormente de Lisboa.

Foi membro do Comité Central do PCP desde maio de 1974 até 1988.

Após o 25 de Abril de 1974, integrou a Direção da Organização Regional de Lisboa, a Comissão para o Trabalho com os Pequenos e Médios Agricultores e a Comissão para a Reforma Agrária.

Em 1979 e 1983 foi eleita deputada à Assembleia da República pelo Algarve. Em 1986 regressou a Portimão e integrou a Direção da Organização Regional do Algarve do PCP.

Leia Também: Marcelo evoca Margarida Tengarrinha, "principal figura contra a ditadura"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório