Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 25º

Trás-os-Montes. DGAV identifica 33 casos de Doença Hemorrágica Epizoótica

A Direção Regional de Alimentação e Veterinária (DGAV) disse hoje que o principal foco, na região Norte, da Doença Hemorrágica Epizoótica (DHE), verifica-se em Trás-os-Montes, onde foram identificados até ao momento 33 casos.

Trás-os-Montes. DGAV identifica 33 casos de Doença Hemorrágica Epizoótica
Notícias ao Minuto

18:36 - 25/10/23 por Lusa

País Trás-os-Montes

A DGAV indica que a DHE é uma doença viral que afeta os ruminantes, em especial os bovinos e os cervídeos selvagens, com transmissão através de mosquitos.

"A doença está incluída na lista de doenças de declaração obrigatória da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA)", indica à Lusa a mesma fonte.

Este organismo acrescentou que sempre que é detetada uma suspeita de doença, efetua-se colheita de amostras e envio de material ao laboratório, com a respetiva notificação da suspeita aos serviços oficiais da DGAV.

Quanto à origem DHE, a DGAV diz não poder afirmar com segurança qual a proveniência da doença nesta região, mas tratando-se de uma doença transmitida por vetor (mosquito), poderá ter origem no restante território nacional ou em território espanhol.

Questionada pela Lusa, a DGAV indicou ainda que não há limitação de movimentação, que apenas se aplica a trânsito animal de e para outro estado-membro ou país terceiro.

Estas respostas à Lusa surgiram na sequência da preocupação demonstrada pelos produtores de bovinos do Planalto Mirandês que na semana passada se mostraram apreensivos quanto à perda de rendimentos nas explorações devido aos efeitos da Doença Hemorrágica Epizoótica.

O secretário técnico da Associação Nacional de Criadores de Bovinos de Raça Mirandesa, Válter Raposo, afirmou que quando infetados, os animais ficam vulneráveis porque a sua imunidade fica mais comprometida, o que deixa os agricultores apreensivos quanto ao rendimento das suas explorações.

"Depois de um cenário de seca que já dura há dois anos, vir agora uma peste é de ficar muito apreensivo em relação ao futuro das explorações pecuárias e consequente produção de carne", indicou à Lusa o também médico veterinário.

De acordo com o responsável, esta doença é provocada por um mosquito, não sendo transmitida aos humanos, e tem origem nos cervídeos (corços).

Os primeiros casos detetados nestes territórios são referentes a julho e início de agosto, tendo sido mais frequentes desde o início de setembro.

De acordo com um edital da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) datado de 06 de outubro, encontram-se afetados pela DHE "todos os distritos e concelhos do território de Portugal Continental".

Válter Raposo alertou para a necessidade de haver um cuidado redobrado nas explorações pecuárias com a utilização frequente de repelentes para insetos.

De acordo com o veterinário, os concelhos mais afetados pela DHE neste território nordestino são os de Mogadouro, Miranda do Douro e parte de Vimioso, havendo também registo no concelho de Bragança.

Segundo um edital publicado no sítio oficial da Internet, a DGAV indica que os sinais clínicos desta doença são febre e falta de apetite, estomatite ulcerativa -- lesões na mucosa da boca, produção excessiva de saliva e dificuldade em engolir, coxeira devido à inflamação das coroas dos cascos e úbere avermelhado.

Leia Também: Percevejo que tem atacado fruteiras sem perigo para pessoas e animais

Recomendados para si

;
Campo obrigatório