Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 14º

Diferença salarial nos cuidados continuados chega a 80%

A Associação Nacional de Cuidados Continuados insistiu hoje na necessidade de aumentar os salários dos profissionais do setor, recomendação feita pela OCDE, sublinhando que em Portugal a diferença para o setor hospitalar chega aos 80%.

Diferença salarial nos cuidados continuados chega a 80%
Notícias ao Minuto

12:33 - 27/06/23 por Lusa

País Salários

Manifestando concordância com as conclusões do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) hoje divulgado, a ANCC diz que, no caso dos enfermeiros, a diferença salarial para o setor hospitalar é de 60% e, nos fisioterapeutas, chega aos 80%.

Para a ANCC, esta situação resulta de "uma política discriminatória do Governo para com o setor privado (com e sem fins lucrativos)", explicando que o Governo, "ao congelar os valores que o Estado paga pela prestação do serviço em Cuidados Continuados, impede que o setor suba salários aos seus trabalhadores de forma a igualar" os salários pagos aos funcionários públicos.

O ano de 2023 "é um exemplo perfeito desta discriminação, em que um enfermeiro no setor social e de cuidados continuados tem 20Euro de aumento de salário, por comparação com os 93Euro de aumento de um enfermeiro funcionário público", acrescenta.

Num relatório hoje divulgado, a OCDE aponta os baixos salários dos trabalhadores do setor dos cuidados continuados como um dos motivos para a dificuldade de atrair profissionais nesta área, apesar das crescentes necessidades, tendo em conta o envelhecimento da população.

A organização defende igualmente que o número de trabalhadores na área dos cuidados continuados deverá aumentar 30% na próxima década para compensar o "rápido envelhecimento da população", que aumentará a procura por estes cuidados.

Contudo, lembra, "cada vez menos trabalhadores poderão estar disponíveis e dispostos a assumir estes trabalhos, pois muitas vezes são mal pagos, executados em condições de trabalho difíceis e, em geral, não são reconhecidas pela sociedade".

Chama igualmente a atenção para o insuficiente financiamento público, uma situação para a qual a ANCC tem vindo a alertar "nos últimos seis anos".

Entre as conclusões da OCDE, a ANCC chama ainda a atenção para o facto de só metade das pessoas com limitações receber apoio ao nível dos cuidados continuados, sublinhando que "o acesso é frequentemente insuficiente".

Destaca igualmente o facto de a OCDE considerar que os cuidados continuados precisam de mais reconhecimento e de os cuidadores estarem "altamente expostos a riscos de saúde física e mental".

Leia Também: "Rápido envelhecimento". OCDE pede intervenção nos cuidados continuados

Recomendados para si

;
Campo obrigatório