Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 20º MÁX 37º

Diretor da PSP e comandante da GNR defendem uso de metadados

O diretor da PSP e o comandante da GNR defenderam hoje no parlamento a videovigilância para o combate ao crime e consideraram que não deviam ser estabelecidos limites para a preservação dos metadados.

Diretor da PSP e comandante da GNR defendem uso de metadados
Notícias ao Minuto

20:14 - 23/03/23 por Lusa

País metadados

Numa audição conjunta sobre o aumento dos casos de violência no namoro na subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação, pedida pelo Chega, o comandante-geral da Guarda Nacional Republicana, José Lopes Correia, e o diretor nacional da Polícia de Segurança Pública, Manuel Magina da Silva, foram questionados pelos deputados sobre a videovigilância e a questão dos metadados, em que normas da lei foram consideradas inconstitucionais em 2022 e já levaram à anulação de julgamentos.

"A posição da PSP é claríssima. Não devia haver qualquer limite para a preservação dos dados. Percebo que resulta de uma diretiva comunitária", disse Manuel Magina da Silva, sustentando que esta questão "é fundamental para os crimes de violência doméstica".

O diretor nacional da PSP considerou que "não faz muito sentido que haja um limite para a preservação dos metadados" e "não haja para uma escuta telefónica", recordando que as duas formas de dados só podem ser recolhidas mediante autorização judicial.

Também o comandante-geral da GNR sustentou que, em termos de investigação, "é relevante aceder a esse tipo de informação o máximo de tempo possível no quadro daquilo que a lei poderá permitir".

Num acórdão de 19 de abril, o Tribunal Constitucional declarou inconstitucionais normas da lei dos metadados que determinavam que os fornecedores de serviços telefónicos e de internet deveriam conservar os dados relativos às comunicações dos clientes -- entre os quais origem, destino, data e hora, tipo de equipamento e localização -- pelo período de um ano, para eventual utilização em investigação criminal.

No âmbito da comissão parlamentar dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias foi constituído um grupo de trabalho sobre metadados.

Sobre a videovigilância, o diretor nacional considerou que "é uma ferramenta fundamental para a atividade policial em vários domínios", nomeadamente para "a prevenção criminal, repressão criminal e para a resposta policial em tempo útil e real que pode salvar vidas".

"Temos que nos libertar definitivamente dos fantasmas do 'big brother' e do Estado Novo", disse, dando como exemplo os sistemas de videovigilância na Amadora e em Olhão.

Magina da Silva sublinhou que a Amadora é um dos concelhos do país com maior cobertura de videovigilância e "há uma redução direta entre a cobertura da videovigilância num determinado espaço e os crimes cometidos nesse espaço".

Segundo o diretor nacional da PSP, os responsáveis pelas agressões a um imigrante em Olhão foram identificados devido à videovigilância".

"Sem a videovigilância estávamos a zero relativamente à identificação das pessoas", disse.

Por sua vez, o comandante-geral da GNR considerou que a videovigilância "é necessariamente um futuro a percorrer"

"É absolutamente necessário que haja a complementaridade de recursos para que possamos atuar e rapidamente conseguir identificar agressores, ter resultados positivos para a segurança", precisou.

Leia Também: PS e PSD concordam que 'secretas' devem poder aceder a metadados

Recomendados para si

;
Campo obrigatório