Meteorologia

  • 14 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 18º MÁX 28º

Fundo dinamarquês prevê investir em energia eólica na Figueira da Foz

Um fundo de investimento dinamarquês pretende investir oito mil milhões de euros num projeto de energias eólicas no mar ao largo da Figueira da Foz, com capacidade de produção de 2 Gigawatts, foi hoje anunciado.

Fundo dinamarquês prevê investir em energia eólica na Figueira da Foz
Notícias ao Minuto

16:03 - 07/02/23 por Lusa

Economia Energia Eólica

Designado de Nortada, o projeto será o primeiro parque eólico 'offshore' de grande escala em Portugal, refere um comunicado do fundo de investimento Copenhagen Infrastructure Partners (CIP), enviado à agência Lusa.

"As atividades relacionadas com a eólica 'offshore' em Portugal, assim como o projeto Nortada, estão a cargo da Copenhagen Offshore Partners (COP), empresa líder no desenvolvimento, construção e operação de projetos de energia eólica offshore, e parceiro exclusivo para o desenvolvimento, construção e operação de parques eólicos 'offshore' da gestora de fundos CIP", refere a nota.

Segundo Afonso César Machado, responsável da COP pelo mercado português, o projeto pretende acelerar a transição energética portuguesa, de forma que seja "um exemplo na produção de energia limpa, pensado de forma holística em todas as suas componentes, e que simbolize uma aposta na reindustrialização e no crescimento económico do país".

A expansão da presença em Portugal para o mercado eólico 'offshore' "surge na sequência das ambições reveladas pelo Governo português na área das energias eólicas 'offshore', assim como dos resultados preliminares dos grupos de trabalho instituídos para o efeito", adianta o comunicado.

"A energia eólica 'offshore' tem um enorme potencial de crescimento e evolução e, como tal, representa uma colossal oportunidade para o país. Com a materialização deste projeto, pretendemos colocar Portugal na linha da frente da transição energética a nível mundial", acrescenta Afonso César Machado.

De acordo com o comunicado, a CIP e a COP pretendem envolver nas suas atividades "o maior número possível de parceiros industriais, académicos, ambientais e do setor da economia azul portugueses", com o objetivo de criar emprego qualificado a nível local e promover um desenvolvimento económico sustentável no país.

"Estamos muito satisfeitos por fortalecer a nossa presença em Portugal, em particular no mercado da energia eólica 'offshore'. O projeto Nortada tem um enorme potencial e é um importante marco que contribuirá para o crescimento desta indústria em Portugal, assim como para a criação de emprego e de crescimento económico sustentável", afirma Michael Hannibal, da CIP.

A consulta pública da proposta que cria cinco áreas de exploração de energias renováveis no mar, ao largo de Viana do Castelo, Leixões, Figueira da Foz, Ericeira-Cascais e Sines, começou no dia 20 de janeiro e termina em meados de março.

O período de audição pública, segundo despacho do Governo de sexta-feira, é de 30 dias úteis, e destina-se a formulação de "sugestões e recolha de contributos" sobre a proposta preliminar das áreas espacializadas para o planeamento e operacionalização de centros eletroprodutores baseados em fontes de energias renováveis de origem ou localização oceânica.

A Figueira da Foz é proposta para a maior área de instalação de parques eólicos, com 1.237 quilómetros quadrados (km2) e potencial para até quatro gigawatts de capacidade, seguida por Viana do Castelo (663km2 e 2GW), Sines (499km2 e 1,5GW) e Ericeira e Sintra/Cascais (300 km2 e 1GW).

Leia Também: Portugal bate recorde: Nunca se produziu tanta energia eólica num só dia

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório