Meteorologia

  • 29 JANEIRO 2023
Tempo
10º
MIN 4º MÁX 12º

Pessoas trans encontram dificuldades e violência no mercado de trabalho

Vários trabalhadores trans ouvidos pela agência Lusa relatam experiências negativas no mercado laboral, com situações de discriminação e ameaças, mas há locais a "adaptar-se" para eliminar os desafios acrescidos que a comunidade enfrenta.

Pessoas trans encontram dificuldades e violência no mercado de trabalho
Notícias ao Minuto

12:07 - 27/11/22 por Lusa

País Trabalho

Um deles é um espaço de 'coworking' na Rua da Constituição, no Porto, onde Maria João, de 26 anos, trabalha como gerente e assistente de cabeleireiro.

Chegada do Brasil há seis anos e a passar pelo processo de transição há dois, conta à Lusa como nos locais onde trabalhou anteriormente sempre teve que se "diminuir para caber no espaço".

Primeiro, numa loja de roupa, em que relata o desgaste mental de ter passado seis meses a lutar para 'conquistar' o direito a vestir a farda feminina.

Mais tarde, o trabalho num bar levou-a a sentir que a usavam para "lavagem de imagem", já que não tardou a perceber não se tratava de um espaço de inclusão mas onde estava desprotegida e em que os clientes podiam "fazer o que quisessem".

Hoje, a trabalhar também como modelo e em desfiles, a experiência é diferente.

"Trabalhar com imagem facilitou muito a minha caminhada, pude questionar-me quem sou. Tenho liberdade de me expressar e dizer 'sou esta, é esta que quero mostrar'", conta.

No 'coworking', além de encontrar um espaço diverso desde a identidade de género à nacionalidade das sete pessoas que o integram, o respeito e cuidado pela forma como o outro quer ser tratado são constantes, e por isso vê-se a evoluir, na vida e na carreira.

"Aqui é um espaço em que eu vejo um futuro. (...) Estando num trabalho em que não há segurança de saber se amanhã sou demitida, ou não aguento mais, não se pode construir nada. Finalmente, depois de seis anos, tenho o meu canto, o meu quarto, as minhas coisas. Só me impulsiona a conquistar mais ainda. (...) Tenho uma casa segura e pago as minhas contas, o que dá muita segurança, para poder ter sonhos", afirma.

No mercado de trabalho, analisa, falta uma atenção maior à sensibilização, algo que várias pessoas realçaram à Lusa, mas também "projetos profissionais" para integrar pessoas trans em "todo o tipo de cargos", não só "pelo mínimo, como a limpeza ou a restauração".

Deixa ainda "um pedido".

"Às empresas, aos profissionais: abram caminhos para nós. Ensinem, quando não tivermos capacidade suficiente. Troquem connosco, tratem-nos como humanos, e tenham um mínimo de empatia. Já é um começo para sair desse lugar de estatística, de noite, de escuro, que é um lugar que não nos pertence, apenas é lugar mais fácil para a gente. Mas reduz muito quem a gente é na sociedade", atira.

A realidade contada por Maria João é comprovada, à Lusa, por cerca de uma dezena de pessoas trans com experiências diversas no mercado de trabalho no Norte do país, desde em empresas que se mostram flexíveis a aprender, até a outras onde só o ato partilhar o seu testemunho, e assim mostrar que têm uma identidade de género diferente da que têm no trabalho (comummente designado como 'estar out', fora do armário), pode levar a abusos no horário laboral.

Joni Freitas tem 21 anos e foi na zona do Grande Porto que teve as primeiras experiências de trabalho e se confrontou com a sensação "agridoce" de ver os outros a tentar assumir o seu género.

Se dos adultos com quem trabalhou, e a quem precisou de corrigir recorrentemente os pronomes usados, esperava que "compreendessem esses conceitos", no centro de estudos onde dá agora explicações encontrou crianças que compreendem e respeitam a sua identidade -- ainda que as mais novas por vezes se enganem.

Com uma chefe que não mostrou "sinais de transfobia", o processo tornou-se mais simples.

"Uma vez que o líder reconhece isso e o transmite às outras pessoas, é muito mais fácil. Pelo menos eu senti isso, a 100%, no meu trabalho atual, porque a minha chefe (...) apresentou-me aos miúdos como 'ele', disse: 'este é o professor Joni'", conta.

Gabriel Sousa, de 26 anos, diz nunca ter sofrido transfobia em contexto de trabalho, mas sente a 'fadiga' de responder sempre às mesmas questões, da obsessão "com os genitais", num ramo da hotelaria em que o aspeto masculino e o cabelo curto que sempre teve, afirma, é já "um entrave".

A trabalhar no mesmo ramo, no Porto, Leonor Ribeiro, de 21 anos, nunca ponderou estar 'out', porque sentiu "que o mundo do trabalho não era um lugar para as pessoas trans estarem".

Assim, e sem mudança de nome, vive ainda "duas vidas", entre a identidade que assume no trabalho e a pessoa que sente ser, fora dele, num "receio constante de que alguém descubra" para não perder "aquele vínculo de trabalho que faz com que tenha comida na mesa".

O seu "eu do futuro" acabará por assumir esta transição, mas até lá encontrou em trabalhos artísticos um sítio onde é aceite estar fora do armário, onde aliás a ordem de prioridades se inverte: "estar fora é o ponto número um, a coisa mais importante".

Leia Também: Procura emprego. Cinco conselhos para uma pesquisa bem-sucedida

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório