Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
24º
MIN 19º MÁX 32º

Docentes que mudaram de escola por doença passaram de 128 para 8.818

Os professores que mudaram de escola por motivos de doença passaram de 128 para quase 9.000 numa década, havendo casos em que se deslocaram para um edifício na mesma rua, revelou hoje pelo Ministro da Educação.

Docentes que mudaram de escola por doença passaram de 128 para 8.818
Notícias ao Minuto

11:32 - 13/07/22 por Lusa

País Ministro da Educação

O ministro João Costa está hoje no parlamento a ser ouvido a pedido dos grupos parlamentares do PCP, PAN e Bloco de Esquerda sobre as recentes alterações feitas ao regime de mobilidade por doença, que permite aos docentes pedir para mudar de escola.

"Em apenas 10 anos, passámos de 128 professores em destacamento por condições específicas para 8.818 no último ano letivo. Este crescimento, na ordem dos 15-20% em média ao ano, levou a uma desregulação evidente nos números que também são conhecidos", afirmou hoje João Costa.

O ministro lembrou ainda que cerca de 10% dos professores em mobilidade por doença acabou por fazer "deslocações entre escolas do mesmo concelho, por vezes na mesma rua".

A maioria dos pedidos de mobilidade está concentrada no norte do país, ou seja, nas regiões do Minho, Trás-os-Montes e na Área Metropolitana de Porto até à zona da Mealhada: "Nos Quadros de Zona Pedagógica 1, 2 e 3 estão mais de 83% dos professores ao abrigo deste regime", disse.

Sem regras que definissem um número máximo de docentes que as escolas podiam receber, verificou-se também uma concentração em alguns estabelecimentos de ensino, havendo concelhos, onde o número de professores em mobilidade é superior a metade dos professores colocados nas escolas.

"Nalguns concelhos temos uma má distribuição dos professores entre as escolas da mesma cidade. Num concelho, uma escola recebe mais 163% de professores que os outros docentes de carreira a exercer no agrupamento, outra, mais 101%", exemplificou, acrescentando que ao mesmo tempo existem outras escolas da mesma cidade onde faltaram professores.

Num outro concelho, que João Costa não nomeou, existem "141 professores em mobilidade que representam um acréscimo de mais 131% de professores ao quadro da escola".

Por outro lado, a possibilidade de os professores pedirem transferência de escola veio trazer problemas às escolas de origem, com concelhos que perderam "entre 40 a 50% dos professores do quadro, a muito poucos quilómetros dos concelhos para onde os docentes se deslocam".

João Costa garantiu que as alterações legislativas, que vieram definir distâncias mínimas para as mudanças de escola, não retiram "o direito à proteção na doença".

Os docentes em mobilidade por doença representam 7,8% do total dos docentes em exercício de funções e o novo decreto-lei veio estabelecer que cada escola pode definir até 10% de capacidade de acolhimento.

Leia Também: Ministro da Educação critica 'rankings' que ordenam escolas por notas

Recomendados para si

;
Campo obrigatório