Meteorologia

  • 12 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 31º

"Pandemia e guerra não podem ser a desculpa para esquecer desafios"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou hoje à cooperação global e defendeu que a pandemia de covid-19 e a guerra não podem ser desculpa para esquecer os desafios estruturais.

"Pandemia e guerra não podem ser a desculpa para esquecer desafios"

O chefe de Estado português deixou esta mensagem na abertura da 2.ª Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU), coorganizada por Portugal e pelo Quénia, que decorre até sexta-feira na Altice Arena, em Lisboa.

Pelas 10:00, o secretário-geral ONU, António Guterres, declarou abertos os trabalhos e de seguida os chefes de Estado de Portugal e do Quénia, Uhuru Kenyatta, foram eleitos por aclamação para presidir à Conferência dos Oceanos.

Convidado por Kenyatta a fazer a declaração inicial, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que esta cimeira acontece "no lugar certo, na hora certa, com a abordagem certa e com o secretário-geral das Nações Unidas certo" para promover este encontro.

Numa intervenção feita em inglês, o Presidente da República pediu "cooperação global em prioridades comuns" e afirmou que "os regimes, os poderes institucionais, os políticos passam", enquanto "os oceanos ficam".

"Têm milhões e milhões de anos, são muito anteriores à humanidade, continuarão por milhões e milhões de anos, desde que cuidemos deles e paremos de os matar", acrescentou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, esta conferência chega "na altura certa, apesar de dois anos de adiamento forçado, de pandemia, de guerra, de crise económica e social dramática e ainda coincidindo com a reunião do G7 e com a Cimeira da NATO".

"A urgência da pandemia ou da guerra não podem ser a desculpa para esquecer os desafios estruturais duradouros e os seus efeitos na nossa vida do dia a dia", defendeu.

Agora há que "recuperar o demasiado tempo perdido e dar uma oportunidade à esperança, uma vez mais, antes que seja tarde de mais", declarou.

Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que "os oceanos são centrais para o equilíbrio de poder geopolítico, os cuidados de saúde, recursos económicos, energia, mobilidade, migrações, desenvolvimento económico e científico, alterações climáticas".

No seu discurso, chamou a atenção para os países e populações especialmente afetados pela falta de ação nesta matéria, "esquecidos ou minimizados pela narrativa mediática liderante do chamado primeiro mundo, os ricos e privilegiados", e falou das gerações mais jovens que esperam ser ouvidas nesta conferência.

O Presidente da República descreveu Guterres como "um homem de princípios, de convicções, um promotor da paz, da justiça social e do desenvolvimento sustentável" e Portugal como um país que "é o que é por causa dos oceanos".

"Portugal, uma plataforma entre oceanos, continentes, culturas civilizações, no passado, no presente, no futuro. Às vezes com sucesso, outras falhando, mas sempre presente e construindo pontes, como esta coorganização frutuosa com o Quénia, outro construtor de pontes -- um do norte, outro do sul", disse.

"Esta tem de ser a conferência do desconfinamento e da ambição, no lugar certo, na hora certa, com a abordagem correta. Aqui estamos hoje. Sejam bem-vindos, sintam-se em casa", concluiu.

[Notícia atualizada às 12h08]

Leia Também: Rebeldes do Tigray defendem conversações de paz mediadas pelo Quénia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório