Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º

Covid. Mortalidade revela abrandamento mas ainda acima do dobro do limiar

A mortalidade por covid-19 regista um abrandamento, apesar de ainda ser mais do dobro do limiar europeu, refere o relatório sobre a pandemia, que adianta que se registaram mais de 303 mil suspeitas de reinfeção em Portugal.

Covid. Mortalidade revela abrandamento mas ainda acima do dobro do limiar
Notícias ao Minuto

21:28 - 24/06/22 por Lusa

País Covid-19

"A 20 de junho, a mortalidade específica por covid-19 registou um valor de 48,6 óbitos a 14 dias por um milhão de habitantes, o que revela um abrandamento da tendência crescente, com possível inversão para decrescente", refere o documento da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) hoje divulgado.

Apesar disso, este valor de 48,6 óbitos é ainda superior ao limiar de 20 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes definido pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC), refere o documento, que avança que a mortalidade por todas as causas encontra-se acima dos valores esperados para a época do ano, em parte associado à mortalidade específica por covid-19.

Quanto à ocupação hospitalar por casos de infeção pelo SARS-CoV-2, o relatório indica que se registou uma tendência decrescente, com 1.743 internados na segunda-feira, o que representa uma redução de 8% em relação ao mesmo dia da semana anterior.

As unidades de cuidados intensivos estavam com uma ocupação de 33% do limiar definido de 255 camas ocupadas, quando na semana anterior este indicador estava nos 34,8%, e apresentavam também uma tendência decrescente.

Desde o início da pandemia e até segunda-feira, Portugal registou 5.079.185 casos de infeção por SARS-CoV-2 e, desse total, "303.140 são episódios de suspeitas de reinfeção, o que perfaz 6% do total de casos", refere o relatório da DGS e do INSA.

De acordo com o documento, a maior percentagem de reinfeções reportada entre 91 e 180 dias ocorreu durante a predominância da linhagem BA.5 da variante Ómicron, que é agora "claramente dominante em Portugal, apresentando uma frequência relativa estimada de 88%".

"É expectável a manutenção da diminuição da procura de cuidados de saúde. Deve ser mantida a vigilância da situação epidemiológica da covid-19, recomendando-se fortemente o reforço das medidas de proteção individual, a vacinação de reforço e a comunicação frequente destas medidas à população", aconselha o relatório.

Leia Também: Portugal registou menos de 100 mil casos de Covid-19 na semana passada

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório